Sirvam nossas façanhas…

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Sirvam nossas façanhas…

Por

A quarta-feira foi histórica para o Vale do Taquari. Diante de um seleto grupo de empresários e líderes regionais presentes na reunião-almoço da Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), ontem, o Secretário de Concessões e Parcerias do Governo Estadual confirmou uma reivindicação que nasceu, cresceu e se consolidou a partir das provocações iniciadas pelos nossos líderes e entidades regionais. Pedro Capeluppi, o referido agente do Estado, reforçou que o debate – e a escolha – do modelo free flow (cobrança automática e sem praças físicas de pedágio) para balizar as próximas concessões rodoviárias iniciou aqui na região. Ou seja, o que antes era considerada uma mera e distante utopia de alguns poucos agentes públicos e privados dos nossos pagos se tornou uma imperiosa realidade para o Rio Grande do Sul.

É preciso reconhecer e aplaudir de pé a perseverança dos líderes regionais envolvidos no debate. Por sorte, a tão criticada teimosia de alguns poucos visionários salvou todo o Vale do Taquari de um modelo de pedágio arcaico, e que manteria a trágica e injusta divisão entre as regiões alta e baixa, especialmente com a presença da praça física na localidade de Palmas, em Encantado. Por sorte, esses poucos e teimosos agentes públicos e privados não titubearam diante da descrença da maioria dos motoristas e contribuintes de toda a região. Por sorte, os “embaixadores do free flow no Estado” não cederam ao pessimismo de quem torce pelo pior e pouco faz para agregar valor e conhecimento aos tantos debates realizados nos últimos meses. A partir de agora, a missão é garantir a confirmação das necessárias obras às nossas rodovias estaduais.

Detalhes do free flow

Secretário Estadual de Parcerias e Concessões, Pedro Capeluppi apresentou detalhes do modelo free flow durante entrevista exclusiva no estúdio da Rádio A Hora, ontem. Segundo ele, um dos principais problemas verificados em países que já adotaram o sistema é a inadimplência. Mas, e este é um fator determinante para as mudanças de rumo do Estado, a informação é de uma recente baixa nos índices históricos. Ele também alertou para a necessidade de ampliar o leque de opções de pagamento posterior – e a previsão é disponibilizar até 15 dias para a quitação. Site e aplicativo da concessionária, totens em pontos estratégicos e próximos às rodovias, e, claro, a busca pelas empresas que já operam com as famosas tags são algumas alternativas citadas. Aliás, e ainda de acordo com Capeluppi, em determinadas praças do Estado o uso de tags já compete de igual com o tradicional. Ah, e com o novo sistema a todo vapor, a expectativa é pelo surgimento de mais empresas neste segmento e, por consequência, novos benefícios, descontos e atrativos aos usuários.

Inmetro, Antt, CCR e, por fim, a PRF

Superintendente da Polícia Rodoviária Federal no Rio Grande do Sul, Anderson Nunes concedeu entrevista exclusiva no estúdio da Rádio A Hora. Ontem, ele participou do programa Frente e Verso e compartilhou detalhes do martírio vivenciado pela 4ª Delegacia da PRF – a responsável pelo nosso trecho da BR-386 – nos últimos anos. Segundo ele, o contrato original firmado entre Antt e CCR Via Sul não contemplava uma nova unidade operacional em Lajeado. O assunto só começou a ser debatido em meados de fevereiro de 2019, e, mais de quatro anos depois, não há sequer projeto aprovado para a construção da nova sede – ainda falta a aprovação por parte do Inmetro. Ou seja, a segurança garantida pelos agentes da PRF ficou em último plano. E isso é lamentável.

Tiro curto

– Em tempo: chamou a atenção a ausência do prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo (PP), e da vice-prefeita, Gláucia Schumacher (PP), na reunião-almoço da Acil realizada ontem. Também chamou a atenção a ausência da maioria dos vereadores lajeadenses. Só estavam presentes Alex Schmitt (PP) e Paula Thomas (PSDB), além dos parlamentares de Cruzeiro do Sul, Daiani Maria (MDB), de Encantado, Cris Costa (PSDB), e de Arroio do Meio, Alessandra Brod (PP) e Paulo Heck (MDB).
– Aliás, também chamou a atenção a fala do vereador Ederson Spohr (MDB) na sessão plenária de terça-feira. Ele chamou os representantes da CCR Via Sul de “canalhas”. Exagerado ou não, o fato é que isso vai repercutir muito nos bastidores da concessionária e, também, do órgão regulador.
– Na próxima segunda-feira, a câmara de Estrela realiza sessão solene de entrega do Título de Cidadão Estrelense à juíza de direito Caren Letícia Castro Pereira. O vereador Douglas Daroit (ainda no PTB) foi o proponente da matéria.
– A Rede de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher prepara o lançamento de uma nova cartilha. O documento deve ser entregue à comunidade no fim de agosto.
– Em Imigrante, o prefeito Germano Stevens (MDB) voltou a falar sobre a proposta de um consenso político suprapartidário para o pleito municipal de 2024. Ele citou o tema durante entrevista ao programa Frente e Verso, ontem. Mas uma coisa é certa: se por ventura o ex-prefeito Lelo (PP) for o candidato escolhido, Stevens deixará de lado o consenso e vai buscar a reeleição.
– Já em Colinas, o ex-prefeito Gilberto Keller (MDB) não descarta concorrer em 2024. Entretanto, os vereadores Marcelo e Fabiel Zarth também estão bem cotados dentro do partido, e contam com a admiração do próprio Keller. Por parte da situação, a atual vice-prefeita Regina Sulzbach (PTB) é cotada.
– Secretário de Administração de Arroio do Meio, Áurio Scherer segue muito confiante com a concretização de um complexo turístico no Morro Gaúcho. Segundo ele, houve uma recente e empolgante reunião entre o poder público e os investidores. E os trâmites para os necessários licenciamentos já estariam bem avançados.

CPI em Teutônia

A câmara de Teutônia pega fogo. E eu explico. A partir da próxima semana devem iniciar os primeiros movimentos da Comissão Processante que decidirá pela cassação – ou não – do vereador Claudiomir de Souza (União Brasil). A denúncia é de suposta fraude nas prestações de contas de diárias solicitadas por ele em 2021, logo após uma viagem a Brasília. À época, o então presidente do Legislativo, Diego Tenn Pass (PDT) – o autor da denúncia inicial –, contratou um perito criminal para verificar os documentos apresentados pelo colega parlamentar. E, conforme aquela perícia, houve falsificação. Sobre isso, aliás, Pass será a primeira testemunha convocada pelo presidente da comissão, Cleudori Paniz (PSD). E ele não terá outra alternativa a não ser confirmar tudo que ele já falou à mídia e ao Ministério Público. Mesmo após a recente aproximação entre o PDT e Souza.

 

 

Acompanhe
nossas
redes sociais