Potência do El Niño divide opinião de especialistas

VALE DO TAQUARI

Potência do El Niño divide opinião de especialistas

Aquecimento do Oceano Pacífico traz chuva acima da média na região Sul, com riscos de enchentes para o Vale do Taquari para os próximos meses. Últimos dias do outono serão marcados por frio típico de inverno

Por

Potência do El Niño divide opinião de especialistas
Últimas semanas de outono trazem um prelúdio do inverno. Massa de ar seco e frio derruba as temperaturas e traz chuva a partir de quarta-feira (Foto: Filipe Faleiro)
Vale do Taquari

As previsões apontam para um período de chuvas acima da média. Tudo graças ao retorno do El Niño. Com o aquecimento das águas do Oceano Atlântico, há uma mudança no padrão climático em diferentes partes do mundo. No sul do Brasil, a tendência é de elevação nos níveis de precipitação. Já no centro e no nordeste, há mais riscos de estiagens.

Pela leitura da Administração Nacional de Atmosferas e Oceanos (NOOA – sigla em inglês), há uma tendência do fenômeno ser o mais potente das últimas décadas e com duração de seis até 15 meses.

No entanto, essa indicação encontra resistência entre especialistas. “Estão chamando de Super El Niño. Mas as temperaturas no oceano ficarão entre 2 a 3°C acima. Não chega a ser muito diferente de outros. Estão dando como novidade algo que não é tão grande assim”, avalia o engenheiro agrônomo, doutor em Produção Vegetal, Marcelino Hoppe.

Os últimos três Super El Niños aconteceram em 1982/83, em 1997/98 e o terceiro em 2015/16. Conforme avaliação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o volume de chuvas no RS em 2023 deve voltar a ser intenso como foi em 2015.

A meteorologista da Metsul, Estael Sias, destaca que a intensidade do fenômeno é difícil de prever. Ainda assim, devido ao acompanhamento de institutos internacionais, acredita que 2023 será de Super El Niño.

De acordo com ela, modelos de clima dinâmicos processados pela Universidade de Colúmbia, de Nova York, indica o pico de intensidade de outubro a dezembro, no patamar de moderado a forte. Na corrente de especialistas que acreditam em um El Niño de grande intensidade, está o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS), dos Estados Unidos. Conforme o prognóstico, o aquecimento atual do Oceano Pacífico nesta época do ano está entre os maiores observados desde 1950.

Histórico na região

O último grande El Niño foi em 2015. Entre o fim de junho e julho, os acumulados de chuva passaram dos 400 milímetros no Vale do Taquari. Mais do que o dobro da média para o período.

No primeiro semestre daquele ano, choveu mais de 1,2 mil milímetros. Tal episódio trouxe uma sequência de enchentes pelo Vale do Taquari. Para este fim de outono e inverno, a Defesa Civil regional mantém um plano de ação para haver mais previsibilidade. “Acompanhamos de forma constante os prognósticos. Pelo que vimos, houve uma mudança na perspectiva quanto ao Super El Niño. Talvez não seja tão forte quanto alguns pensam”, diz o coordenador da Defesa Civil de Lajeado, Gilmar Queiroz e complementa: “não temos como prever o tamanho das cheias. O que podemos fazer é minimizar os estragos.”

O Núcleo de Informações Hidrometeorológicas da Univates (NIH) ressalta que há um risco iminente de cheias no Vale do Taquari nos próximos meses. “Teremos chuva acima da média em setembro, outubro e novembro. Isso aumenta os riscos de enchentes. Ainda não é possível afirmar se haverá um Super El Niño”, diz a meteorologista do NIH, Maria Angélica Cardoso.

De acordo com ela, todos os eventos de Super El Niño (1940/41, 1972/73, 1982/83, 1987/88, 1991/92, 1997/98 e 2015/16) trouxeram períodos chuvosos extremos com grandes inundações.

Perspectivas para o campo

Conforme o engenheiro agrônomo e doutor em Produção Vegetal, Marcelino Hoppe, as implicações do El Niño à agricultura funcionam como uma gangorra. Desfavorável para trigo, azevém e aveia.

Como resultado, uma possibilidade de menos pastagem para para o gado leiteiro, o que traz consequências à bacia leiteira, pois haveria um custo maior de produção frente a necessidade de uma alimentação com mais grãos e complementos.

Por outro lado, Hoppe frisa a importância do El Niño para normalizar os níveis de água nos lençóis freáticos após quase três anos de chuvas abaixo da média. “O fenômeno pode ser positivo ao trazer chuvas mais constantes, permitindo a infiltração no solo e a reposição dos níveis de água.”

Em cima disso, alerta à necessidade de cuidados nas lavouras, como a adoção de práticas agrícolas adequadas, como o cultivo em nível e as curvas em nível, para evitar enchentes em áreas mais baixas.

Para o verão, o especialista acredita em mais benefícios do que riscos. Após duas quebras de safras, a produção de milho no Vale do Taquari deve entrar em um momento de recuperação, acredita. Em um verão sem fenômenos climáticos, chove na região dos Vales (Rio Pardo e Taquari), uma média de 400 milímetros. O mesmo costuma evaporar com o calor, diz Hoppe.

“O ideal para uma safra de milho com qualidade seria chover cerca de 25% mais do que evapora. Com a consolidação de um El Niño dentro da normalidade ou um pouco acima, teremos condições favoráveis para essa lavoura.”

Fim de outono com clima de inverno

A semana começou com muito frio e as temperaturas baixas seguem pelos próximos dias. O amanhecer foi com geada. A mínima no Vale foi em Ilópolis, com 3,5°C. Tudo por conta de uma massa de ar seco e frio que ingressa no RS. O ápice desse frio é previsto para chegar hoje e perdurar até quinta-feira.

“O outono termina com frio, e o inverno que inicia no dia 21 começa com temperaturas dentro da normal para o mês. Segundo os modelos climáticos, a tendência para o inverno é de temperaturas acima da média, mas isso não quer dizer que não fará frio, apenas indica que as ondas de frio serão menos frequentes e terão pouca duração”, diz a meteorologista Maria Angélica Cardoso.

ENTREVISTA
Antônio Sartori • presidente da Brasoja


“Eventos climáticos extremos têm sido marcas no mundo”

A Hora – Estimativas apontam que o El Niño será entre moderado e potente. No RS, houve três anos de estiagens, com impacto na produção de grãos, em especial no milho. O que o setor primário pode esperar para os próximos meses?

Antônio Sartori – Nunca na história tivemos uma sequência de três anos de La Niña. O fenômeno é o oposto do atual, em vez de aquecimento das águas do Pacífico, há o resfriamento. O que trouxe chuvas muito abaixo da média, em especial no verão.

Foram anos de quebra nas safras. Na soja, colhemos menos. Mas a maior dificuldade foi com o milho. No nosso estado, colhemos três milhões de toneladas, quando precisamos de sete milhões. Essa é uma conta que não fecha. Por isso foi preciso comprar o grão de outros estados.

Tudo isso trouxe muita desvantagem para o Rio Grande do Sul. Nosso risco climatológico é muito grande. Pois se não chover naqueles 25 dias de polinização do milho, ele não recupera mais. A soja é diferente, tem períodos mais longos.

Com a mudança de fenômeno, teremos mais riscos de perdas no cultivo de inverno, em especial do trigo. Para o verão, ter chuvas acima da média é positivo, teremos condições mais favoráveis para a soja e para o milho.

– Há divergências sobre o impacto do fenômeno El Niño. Alguns apontam para um fenômeno mais potente e outros dentro de uma normalidade. Como a produção gaúcha pode se preparar para esses cenários?
Sartori

– Os meteorologistas estão em uma situação delicada. Alguns dizem bobagens. Tentam fazer previsões frente a um clima de hoje, que está muito imprevisível. Projetar como será daqui a três meses, um ano, ou dois, a chance de acertar é igual a zero.

Tanto o El Niño como o La Niña não são eventos uniformes. São diferentes ao longo da história. Pelo que tenho lido e pesquisado em diversos institutos de pesquisa, os mais confiáveis admitem a possibilidade de um Super El Niño. Neste caso, a preocupação é grande.

Eventos climáticos extremos têm sido marcas no mundo. Vemos ondas de calor recorde em Portugal e na Espanha. Ao mesmo tempo, enxurradas e enchentes na Itália. Na Argentina, ondas de frio devido a ventos polares em pleno verão. Toda essa mudança torna o tema fundamental para o agronegócio. Pois fica cada vez mais difícil acreditar em previsões de longo prazo e se torna fundamental termos leituras mais periódicas e constantes sobre o tempo.

– Em cima dessa mudança de padrão climático. Um assunto técnico que por vezes se torna político, entre quem admite o aquecimento global e outros grupos que falam que se trata de um ciclo. Qual está mais perto da verdade?

Sartori – Existem dois grandes grupos de meteorologistas. Alguns entendem que essas alterações são cíclicas. E isso procede. Se analisarmos na história, houve migrações devido a secas ou enchentes. Meus avós, por exemplo, vieram da Itália em meados do século 19 para fugir da sequência de secas. Vieram ao Brasil pois havia abundância de terras e de água.

Agora, precisamos ter cuidado no que falamos. Se pegarmos a quantidade de carvão, de petróleo e de gás tirados do subsolo da terra, isso dá mais de 13 bilhões de toneladas trazidos à superfície para gerar energia e provocando o que se chama de aquecimento global. Então, sim, o homem também é responsável pelo aquecimento global.

O clima no mundo está muito errático e tem esses dois fatores juntos. Hoje, temos o excesso de informações, a desinformação e as fake news. Cada vez mais a sociedade precisa de fontes confiáveis e de discernimento para que possamos analisar aquilo que faz sentido.

Mínimas na região

3,5ºC em Ilópolis
3,9ºC em Teutônia (Morro das Antenas)
5,7ºC em Mato Leitão
6,7ºC em Venâncio Aires
7,9ºC em Lajeado (campus Univates)

No RS
2ºC em Soledade

Previsão do tempo

HOJE
Muito frio pela manhã e geada nas partes altas. O sol aparece e ameniza a sensação. Porém, áreas de instabilidade avançam, com chance de chuvas esparsas.
Mín.: 4°C
Máx.: 15°C

AMANHÃ
Chuva a qualquer momento. O frio permanece, mas com menor intensidade. O amanhecer e a noite apresentam temperaturas baixas e a tarde permanece amena.
Mín.: 9°C
Máx.: 15°C

QUINTA-FEIRA
Condições pouco mudam em relação ao dia anterior. Chuva permanece e o frio é menos intenso.
Mín.: 11°C
Máx.: 15°C

SEXTA-FEIRA
Predomínio do sol entre algumas nuvens. A chuva se afasta e o frio retorna, em especial pela manhã. Pela tarde, o sol eleva a temperatura.

Mín.: 8°C
Máx.: 18°C

 

Acompanhe
nossas
redes sociais