Animais nas ruas: de quem é a responsabilidade?

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Animais nas ruas: de quem é a responsabilidade?

Por

A delicada situação apresentada pela Apama é uma dura realidade que precisa ser encarada pela sociedade lajeadense. A ONG é reconhecida pelo belíssimo trabalho de amparo e proteção aos animais abandonados ou vítimas de maus-tratos, mas o árduo trabalho dos voluntários parece estar próximo do esgotamento. Físico, mental e financeiro.

São anos de atuação em prol da saúde pública de toda a população de Lajeado. Um trabalho que ainda não foi devidamente reconhecido pela própria comunidade beneficiada, e, muito em função disso, tende a padecer diante das dificuldades econômicas e sociais enfrentadas dia após dia. Mas e o que vai acontecer se a Apama sucumbir diante dos históricos problemas e desistir dos animais?

O canil municipal, construído ainda na gestão da ex-prefeita Carmen Regina Cardoso, até passou por algumas reformas e ampliações nas duas gestões posteriores. Mas o espaço é insuficiente para atender toda a demanda verificada nas ruas de Lajeado. Na própria Apama, por exemplo, são cerca de 300 animais sob a responsabilidade dos voluntários. E a capacidade do canil municipal não alcança uma centena. Ou seja, a estrutura do poder público para tentar mitigar o grave problema ainda está muito aquém da real necessidade. Diante do quadro atual, e do recorrente aumento no número de animais abandonados em vias públicas, me parece claro que o poder público precisa unir esforços entre as secretarias para assumir de vez essa bronca.

E a solução do problema precisa ir muito além de uma eventual ampliação do canil municipal. Acima de tudo, é preciso trabalhar a conscientização da comunidade e apostar cada vez mais em mecanismos inovadores de monitoramento e mapeamento da demanda. O controle populacional dos animais não pode ficar restrito a um local para depositá-los.

É preciso inovar, reforço, sob o risco de potencializarmos ainda mais este grave problema de saúde pública. Fazer o que fora feito até o momento já não é o suficiente. O poder público, com o necessário apoio da sociedade civil, precisa pensar fora da caixa e apresentar soluções mais eficazes. Não podemos mais tapar o sol com a peneira e fingir que o problema não nos atinge. Precisamos resolver!


Política em Teutônia

As eleições só ocorrem em outubro de 2024. Mas as articulações políticas e partidárias já fervilham em Teutônia. Por lá, e além da atuação politiqueira de alguns vereadores que insistem em trancar projetos do Executivo, as apostas em determinados nomes dão o tom nas conversas entre representantes dos principais partidos.

Há quem aposte na candidatura de Jonatan Brönstrup (PSDB), por exemplo, e há quem afirme que o ex-prefeito tucano vai resguardar forças para a candidatura à assembleia legislativa. Celso Forneck (PDT) e Renato Altmann (PSD) devem concorrer. E, nas últimas horas, surgiu uma nova aposta: Ivandro Rosa, atual presidente da CIC/VT.


Ampliação da Pasqualini

É um verdadeiro trabalho de formiguinha. Pouco a pouco, e ainda a passos lentos, a administração municipal de Lajeado busca formas de ampliar a capacidade de tráfego da Av. Alberto Pasqualini, uma das principais artérias viárias da principal e mais populosa cidade do Vale do Taquari. Em diversos pontos, o estacionamento já foi extinto para dar maior fluidez ao trânsito.

E isso não foi – e dificilmente será em outras ocasiões – uma decisão política fácil. Paralelo a isso, o governo segue realizando pequenas integrações de áreas ao patrimônio público como “bem de uso comum do povo destinado a recuo viário”. O último movimento, por exemplo, foi a incorporação de uma área de 76,12 m², sem edificações, na esquina da avenida com a Rua Pouso Novo, no Universitário.


TIRO CURTO

• Mesmo após a antidemocrática – e rapidíssima – cassação do deputado federal Deltan Dallagnol (Podemos) por parte do TSE, atendendo a uma ação protocolada pelo PT e aliados, a cúpula nacional do PL deve manter pedido junto à Justiça Eleitoral pela cassação do senador Sérgio Moro (União Brasil), o algoz de Lula (PT). É um presente do PL para a esquerda nacional.

• Aliás, pouco a pouco e o STF vai desmontando com a Operação Lava Jato. O supremo já “descondenou” Lula (PT). Ontem, foi a vez de Eduardo Cunha (MDB) ver a sua condenação ser desmantelada por questões de “competência”. E tudo diante dos nossos olhos, caro leitor.

• Denunciado pela ONU por crimes contra a humanidade, incluindo a suposta tortura de opositores, o “presidente” da Venezuela, Nicolás Maduro, foi recebido com pompas pelo nosso governo federal. E isso não surpreendeu ninguém.

• Em Arroio do Meio, a presença de Danilo Bruxel (PP) no evento do PL ainda gera especulações. Há quem aposte, por exemplo, que o Progressista pense em reeditar a dobradinha com a ex-vice prefeita e ex-vereadora, Lúcia Horn, que assinou com o PL no sábado. Eles venceram, juntos, o pleito de 2004.

• Já em Encantado, a decisão do PDT – de expulsar o vereador Roberto Salton do quadro de correligionários – ainda vai dar muito pano para a manga. As razões não foram bem explicadas. De um lado, o diretório cita eventual “infringência às normas de disciplina partidária”. Já Salton sustenta que a sigla o obrigou – e ele não acatou – a apoiar determinado candidato a deputado.

• O governo de Teutônia prepara um projeto de lei para garantir incentivos aos novos empreendedores na área do turismo. E não se descarta a isenção de determinadas taxas e/ou impostos.

• Aliás, o presidente da câmara de Teutônia, Valdir Griebeler (PSDB), ainda não colocou em votação o projeto de lei que autoriza o Executivo a buscar financiamento de R$ 15 milhões junto à Caixa. O recurso será aplicado na recuperação de vias públicas.

• O governo de Lajeado lançou edital para uma parceria público-privada qur visa implantar a chamada “iluminação inteligente. A empresa a ser contratada deve investir mais de R$ 340 milhões em cinco usinas fotovoltaicas, lâmpadas de led, controle remoto dos semáforos e cabeamento óptico dos prédios públicos.

• Também em Lajeado, o Sindicato dos Professores Municipais (SPML) anuncia a identificação de uma nova dívida, cuja data é de 2016. O débito é com a operadora Vivo e ultrapassa a cifra de R$ 260 mil. A atual diretoria já havia identificado uma dívida de R$ 417 mil com a Unimed, também gerada durante a gestão anterior do sindicato.

Acompanhe
nossas
redes sociais