Jovens e pais evoluindo

Opinião

Ivanor Dannebrock

Ivanor Dannebrock

Integrante da equipe de relacionamento da Dale Carnegie Vale do Taquari

Jovens e pais evoluindo

Por

Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Lembra quando você era adolescente? Pense…

Você tinha desafios? Seus pais tinham desafios? Na sua educação formal nessa fase da vida, existiam obstáculos? Alguém dava dicas e contribuições que poderiam auxiliar numa decisão futura de empreender?

Nós vivenciamos um processo de ruptura de crenças, de desenvolvimento tecnológico cada vez mais rápido, e fatalmente as famílias precisam acompanhar essa transformação sócio-político-histórica. Precisamos ser movimento! Cada família tem uma cultura familiar própria. Muitas identificam desafios, outras vivem romantizando o processo de conflitos internos, até porque numa fase de transição como é a adolescência, nunca está tudo bem.

É na adolescência que o caráter se forma, se completa de fato, como vimos na afirmação de Peter Blos (1996): “Torna-se evidente que eu olhe para a formação de caráter a partir de um ponto de vista de desenvolvimento e veja nela uma formação normativa que reflete o resultado do desenvolvimento progressivo […] na adolescência.” São pontos de vista que reforçam como é assertivo investir no desenvolvimento do indivíduo nessa fase.

Uma infinidade de respostas, e de apoio, os pais encontram através do treinamento “Geração Futura” da Dale Carnegie, aqui em Lajeado e em Santa Cruz do Sul. Lembro de uma mãe, Adriana Antonio, que teve a experiência de ver a transformação dos seus filhos Leonardo e Lorenzo:

“Nossa família estava passando por uma mudança significativa, estávamos travados. Precisávamos superar desafios, nos preparar para avançar. Meus filhos tinham questões para superar: ansiedade, medo, “ser respondão”, não saber ouvir, não ser focado, nenhuma gestão de tempo, desorganização, irresponsabilidade…

Hoje, tenho orgulho em ouvir os elogios em diversos locais onde convivemos, sobre a postura, a educação e a forma como meus filhos interagem. Eles aprenderam a ouvir, a não criticar, ser responsáveis, a evolução como ser humano foi fenomenal, auxiliam a família, existe equilíbrio, conversamos, discussões e brigas são conjugados no passado, são focados, responsáveis, com grande capacidade de um futuro profissional promissor. Assim como a oratória de cada um, na certificação, me surpreendeu!”

Esses relatos são unânimes, dos pais que viveram a experiência. Cada um com suas peculiaridades, individualidade e especificidades. E você está dando tratamento ao seu desenvolvimento e de seus filhos?

Acompanhe
nossas
redes sociais