Músico esboça projeto social na região

Lajeado

Músico esboça projeto social na região

Violinista da Ospa sonha em voltar ao Vale do Taquari para ensinar técnicas musicais

Por

Músico esboça projeto social na região
Lajeado
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A apresentação da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) lotou o Teatro do Centro Cultural Univates nesse domingo. Mas o que poucos sabem é que um representante da região integra o grupo.

O violinista, Elsdor Ricardo Lenhart, 55, nasceu em Cruzeiro do Sul. Ele deixou a cidade ainda pequeno, em 1973. Foi para Porto Alegre. Sete anos mais tarde, tornou-se bolsista da orquestra. Naqueles anos, diz, a Ospa era uma das poucas instituições no estado.

Hoje, acredita, houve aumento do número de iniciativas e entidades tocando música clássica. “Isso é muito positivo, principalmente para jovens que pretendem seguir a música como profissão.” Com uma experiência de 35 anos, comemora a renovação do interesse e da curiosidade. “Hoje tem mais muito mais oportunidades tanto de aprender quanto de trabalhar”, comenta.

Voltar para retribuir

A distância do Vale não reduziu o apreço pela cidade natal. Para popularizar e ensinar a música de concerto para jovens locais, Lenhart pretende desenvolver um trabalho social. No estado, indica, há um movimento de renovação do público. Inquietação estimulada por projetos didáticos voltados para adolescentes e crianças, acredita.

Aprendizado

De acordo com Lenhart, a Ospa oferece uma formação que começa do nível mais básico. Saindo dessa escola, cujos primeiros estágios são voltados a iniciantes, muitos alunos vão direto para a faculdade.

Como a orquestra é uma instituição vinculada ao governo do Estado, o ingresso no quadro de músicos se dá por meio de concurso público. Segundo Lenhart, por ser referência em toda a América Latina, a concorrência para uma vaga é muito grande. A última vez que houve uma seleção foram mais de 800 inscritos para 23 vagas.

Maestro celebra  a renovação

O diretor artístico e regente da Ospa, Evandro Matté, confirma a renovação do público e de jovens interessado em aprender música clássica. Nome que vem sendo substituído, já que, devido a um certo nível de modernização e contato com outros gêneros, convencionou-se chamar de “música para concerto”.

Para ele, guardadas as devidas proporções, e respeitando a tradição de alguns compositores, a relação com estilos diferenciados pode tornar o músico mais versátil. O conservadorismo, sugere, tem deixado de acompanhar as orquestras.

Retribuição ao público

A Hora – Sabe-se que a Ospa realiza o primeiro concerto do ano em Porto Alegre. O que motivou a mudança e trouxe a apresentação para o interior?
Evandro Matté – Foram 64 anos abrindo em Poa. No ano passado, pela primeira vez, foi no interior, em Pelotas. A Ospa tem esse nome, mas ela é de todos os gaúchos, pertence e é mantida pelo Estado. Sempre tivemos uma atuação intensa no interior. Portanto, essa mudança de postura é uma retribuição ao público.

Quais são os critérios para a definição do repertório para o começo de uma temporada?
Matté – São inúmeros fatores que pesam sobre a estrutura de uma programação completa. É preciso atender diferentes períodos da história da música.

Sabe-se que já é possível ver a democratização de algumas obras clássicas. Ainda que remeta a um período histórico distante, o senhor vê alguma via de popularização da música clássica? Ou propostas nesse sentido podem deturpar a essência desse gênero musical?
Matté: Isso acabou, não existe mais esse conservadorismo. Para mim, música é uma coisa só. Não gosto muito dessa diferenciação. Já montei peças de jazz com orquestra, rock, trilha sonora de cinema. A questão toda é fazer essa parceria bem feita. Cada vez mais as pessoas aceitam isso, e é um fato positivo. Se você pega aqueles que são acostumados a uma coisa só e coloca junto com a orquestra, ele pode se interessar pela orquestra. Há quem assista a espetáculos mistos, e depois vai para a ópera. Sou trompetista da Ospa faz 25 anos, em 2016 assumi a direção artística e regência. Sempre trabalhei com MPB, música gaúcha, jazz, samba, têm alguns cantores de rap que acho interessante. Estar ligado no que está acontecendo contribui muito para a minha formação como maestro.

Acompanhe
nossas
redes sociais