Pesquisa identifica sementes resistentes ao frio

Negócios

Pesquisa identifica sementes resistentes ao frio

Identificação de variedades mais tolerantes beneficia setor orizícola do RS, maior produtor brasileiro do cereal. Agricultores projetam lucros com plantio antecipado e aumento da oferta de matéria-prima.

Por

Pesquisa identifica sementes resistentes ao frio
Vale do Taquari

Com produção autossuficiente desde a safra de 2004/05 e com consumo anual de 25 quilos por habitante no Brasil, conforme dados do Mapa, o arroz é um dos cereais mais consumidos no planeta.

A estimativa é que sejam colhidos cerca de 14 milhões de toneladas de arroz na safra 2019/20 apenas no país, hoje o nono maior produtor mundial – e o primeiro se não forem considerados os países asiáticos.

Pensando na importância desse cereal para a alimentação e para a economia do país, é desenvolvido, pelo Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (Ppgbiotec) da Univates, o projeto de pesquisa que busca identificar variedades do cereal tolerantes ao frio nas fases inicias de desenvolvimento da planta.

Segundo o coordenador Raul Antonio Sperotto, na época de plantio, entre outubro e novembro, ainda são registradas noites frias, com temperatura por volta dos 15ºC. A pesquisa tenta analisar os impactos desse fenômeno na fase de germinação e vegetativa da planta. “A baixa temperatura reflete em um crescimento mais lento, menor produtividade e maior uso de insumos.”

A partir da análise de mais de cem variedades de arroz da subespécie, a pesquisa foi focada em duas semelhantes geneticamente ou com o mesmo background genético, na nomenclatura científica, e que apresentam níveis contrastantes na resposta ao frio.

“As raízes tolerantes ao frio são mais longas e espessas em relação à variedade sensível ao frio. O estudo da Univates é focado na subespécie já que quase a totalidade do consumo no país é dessa variedade. Conforme o estudo avançar, a ideia é que as variedades de arroz mais tolerantes ao frio possam gerar informações que, posteriormente, podem ser utilizadas para aumentar a produção, garantindo áreas com maior produtividade e rentabilidade.

Segundo o Mapa, no Brasil, o cultivo de arroz irrigado na Região Sul contribui, em média, com 60% da produção nacional, sendo o RS o maior produtor brasileiro. Neste ciclo foram semeados 1.076.650 hectares, cuja produção deve alcançar 7,5 milhões de toneladas no ciclo.

Aumento na produtividade 

O produtor Torquato Lopes Jacques, de Cruzeiro do Sul, está entusiasmado com a pesquisa. Hoje, dos 150 hectares cultivados, cem são de ciclo curto, semeados apenas no fim de outubro. “Plantar a variedade de ciclo longo é um risco, porque ela não é adaptada às baixas temperaturas. Necessita de mais adubo e tratamentos. Aumenta o custo e a produtividade sempre é afetada em caso de geadas ou períodos de frio, comuns em agosto e setembro.”

Jacques destaca que se toda área pudesse ser cultivada em agosto a planta teria mais tempo para se desenvolver em todas as etapas produtivas. Para este ciclo, projeta um rendimento médio de 150 sacas por hectare. A saca de 60 quilos está cotada em R$ 39.

Acompanhe
nossas
redes sociais