Projeto estipula direito de escolher oficinas

Estado

Projeto estipula direito de escolher oficinas

Proposta do deputado Enio Bacci (PDT) estipula novas regras para seguradoras

Por

Projeto estipula direito de escolher oficinas
Estado

Tramita na Assembleia Legislativa projeto de lei que prevê mudanças nas regras dos seguros de automóveis.

De autoria do deputado Enio Bacci (PDT), o texto pretende assegurar ao consumidor o direito de livre escolha de oficinas nos casos de cobertura por danos ao veículo.

Hoje as companhias de seguradoras definem a empresa que prestará o serviço, com base em uma lista pré-determinada de firmas cadastradas. Conforme o deputado, não existe um critério claro para a escolha. “Optam por beneficiar amigos e acabam formando um monopólio.”

O parlamentar cita como exemplo a distorção entre o número de oficinas existentes em Lajeado e as cerca de cinco empresas cadastradas pelas seguradoras. Para ele, a lei, se aprovada, seria uma forma de diminuir privilégios no mercado do setor.  Bacci também destaca a relação de confiança do consumidor com mecânicos ou chapeadores conhecidos. “É um direito do consumidor à livre escolha, desde que as oficinas sigam os padrões estabelecidos e tenham orçamentos semelhantes.”

O texto inclui qualquer tipo de oficina de automóveis, seja mecânica, de lanternagem, pintura, recuperação ou limpeza interior. Quando não houver consenso entre o terceiro e o segurado, a companhia de seguros deverá aceitar a escolha de ambas as partes, mesmo que os consertos ocorram em firmas diferentes.

Conforme o projeto, as centrais de atendimento deverão informar os clientes sobre o direito de livre escolha. A proposta tramita na Comissão de Constituição e Justiça. Conforme o deputado, a expectativa é de entrar em votação até o fim do ano.

Regra mais justa

Proprietário de uma oficina de chapeamento em Lajeado, Gecir José Feberle acredita que o projeto traria regras mais justas para o segmento. No ramo faz 28 anos, reclama da falta de flexibilidade das companhias. “Se tenho minha oficina, onde confio nos meus funcionários, por que deixar o meu carro em outra?”

Feberle lembra de um caso envolvendo um cliente de Bom Retiro do Sul que trouxe o carro para ser consertado em Lajeado e teve dificuldade para conseguir a liberação do pagamento. “É uma questão de confiança. Se o preço está dentro da tabela, não tem por que obrigar a fazer o serviço em local desconhecido.”

Segundo ele, as empresas credenciadas pelas companhias de seguro têm um volume de trabalho muito grande e acabam demorando mais para realizar os reparos. Além disso, afirma que a responsabilidade em caso de problemas no serviço é controversa. “Se é uma empresa credenciada, é a seguradora que fica responsável, e não a firma. Isso dificulta ainda mais a vida do cliente”, ressalta.

Sem prejuízos

Dono de uma chapeadora faz 17 anos, Alexandre Scheid considera que a imposição das companhias de seguro não chega a trazer prejuízos, devido ao grande volume de serviços particulares. Ele orienta os clientes segurados a cumprir as determinações das companhias para evitar problemas posteriores.

“Se não fazem na oficina escolhida, as seguradoras encontram empecilhos e enrolam para fazer a vistoria”, relata. Para ele, as dificuldades são impostas pelas centrais, deixando os corretores locais sem alternativas para oferecer ao segurado.
Na opinião do chapeador, se o cliente tem uma oficina de confiança e entrar em acordo com o profissional que faz a vistoria, o serviço deveria ser liberado.

Proprietário de uma oficina mecânica, Márcio Blach diz que o setor é pouco afetado pela medida. Segundo ele, como os serviços do seguro são encaminhados para funilarias e chapeadoras, as próprias empresas encaminham os veículos para mecânicas que são parceiras.

Acompanhe
nossas
redes sociais