Correios nega dificuldades na entrega

Lajeado

Correios nega dificuldades na entrega

Em repartições públicas de Lajeado, faturas chegam vencidas e geram multas

Por

Correios nega dificuldades na entrega
Lajeado
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

As dificuldades em receber correspondências e boletos não são exclusivas dos bairros. Além de moradores, a falha na distribuição também afeta repartições públicas do município. Na prefeitura, os problemas são mensais e geram multas por atrasos no pagamento.

O principal envolve as tarifas de telefonia fixa. Por mês, são recebidas cerca de 300 faturas do serviço na sede do Executivo. Mesmo com emissão antecipada, elas costumam chegar na data do vencimento ou até três dias depois dela.

Apesar da confirmação do problema, até o fechamento desta edição, não foi informado o custo gerado com as multas durante o ano passado. O secretário da Fazenda, José Carlos Bullé, preferiu não se manifestar sobre o caso.

Após a constatação de problemas na entrega de correspondências nos bairros, em janeiro, o Correios afirmou manter a entrega dentro dos prazos estipulados. A exceção, na época, era os locais fora da área de entrega domiciliar. A relação de endereços atendidos costuma ser atualizada a cada cinco anos. Na Central de Distribuição de Lajeado, são 43 empregados para atender 24 distritos de entregas.

Apesar da justificativa, o panorama é diferente do encontrado no município. No Jardim do Cedro, Laureci Ávila, 43, recorreu aos caixas de bancos, no centro, para pagar boletos atrasados. Segundo ele, a situação afeta moradores da rua José Araújo há pelo menos um ano.

O problema, segundo ele, ocorre quase todos os meses e o fizeram passar muitas cobranças para sistemas de débitos automáticos. Considerando as datas de expedição dos boletos, o morador atribui a dificuldade à distribuição do material. “É comum elas chegarem todas de vez, poderiam entregar de acordo com o vencimento de cada uma.”

Debate ampliado

O problema também é verificado em Teutônia, onde, em 2015, ocorreu uma audiência pública para tratar sobre o tema. Na época, eles cobravam a extensão da área de entrega domiciliar e o aumento do número de carteiros. As medidas foram encaminhadas para a Central Estadual dos Correios.

Entre as representações políticas que acompanharam o movimento, estavam a vereadora Mareli Vogel e o deputado estadual Gerson Borba, ambos do PP. Neste mês, os dois agendaram uma viagem a Brasília para tratar sobre o tema com líderes políticos e buscar apoio ao pleito. A mobilização deve ocorrer em março.

Caso desconhecido

Em nota, os Correios nega problemas no serviço de distribuição em órgãos públicos e afirma não haver reclamações do serviço prestado nos locais. De acordo com o documento, no município, houve dificuldades nos bairros Jardim do Cedro, Conventos e Universitário devido à redução temporária da equipe. Dois carteiros motociclistas ficaram de atestado médico após caírem de moto. Com a recuperação, afirmam, os serviços foram normalizados.

Na região, um estudo técnico com base na realidade de Teutônia foi feito para dimensionar a expansão da entrega no município. Ele aguarda a liberação de novo concurso público, pelo Ministério do Planejamento, para ser colocado em prática.

Acompanhe
nossas
redes sociais