Descaso com a ERS-129 irrita motoristas

Você

Descaso com a ERS-129 irrita motoristas

Buracos e falta de sinalização deixam trechos em condições precárias de tráfego

Por

aMotoristas e pedes­tres reclamam do descaso com a ERS-129, que liga Colinas a Guaporé. Em muitos trechos, como entre os quilôme­tros 65 e 69, no acesso a Roca Sales, na via há muitos buracos e sem sinalização. O problema persiste há meses, e as medidas paliativas, como a operação tapa-buracos, são ineficazes.

Pessoas que utilizam todos os dias o trecho, como o vendedor Tiago Rafael de Motta, 20, pe­dem mais atenção dos órgãos responsáveis. Ele trabalha às margens da rodovia, em En­cantado, próximo do acesso de Roca Sales e diz que os buracos prejudicam os motoristas que passam pelo local. “Tapa num dia, está aberto no outro.”

Motta alega que a operação tapa-buracos é ineficiente. “Lar­gam brita e pinche por cima, não tem como ficar bom.” O morador Renato De Conto tam­bém cita a necessidade de me­didas eficazes. Reside há mais de 20 anos no local e diz con­viver com buracos nos últimos três anos.

Outra reclamação é a falta de sinalização na via e nos trevos de acesso às cidades. Conto en­frenta dificuldades na altura do km 74, trevo de acesso se­cundário a Encantado, quando transita pelo trecho à noite. Em períodos de movimento inten­so, como no fim de tarde, há uma aglomeração de veículos e pouca visibilidade.

Moradores, como a aposen­tada Olga Masiero, inclusive evitam caminhar pelo trajeto ao escurecer quando há mais movimento. Isso se deve à fal­ta de sinalização e ausência de acostamento. “Aqui é meio esquecido”, se queixa. Segundo ela, em anos anteriores, vizi­nhos colocaram até bananeiras dentro de buracos, como forma de protesto.

Redução de acidentes

Neste ano aconteceram 28 acidentes na ERS-129, do km 65 ao 74, trecho compreendido em Encanta­do. Houve 15 feridos e 54 veículos estiveram envol­vidos. Em comparação a 2011, diminuiu em dez o número de acidentes no mesmo período.

Conforme o sargento da Polícia Rodoviária Estadual de Encantado, Edson Luiz Koslowski, há outros trechos críticos da via, como no acesso à Serra e próximo de Muçum, onde os aciden­tes costumam ser graves.

Salienta que é preciso mais atenção dos conduto­res, assim como a renova­ção de sinalizações da via.

Faltam recursos

Conforme o diretor admi­nistrativo do Departamen­to Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) de Lajeado, Jorge Textor, faltam recursos financeiros para recapear tre­chos necessários da via, o que depende de verbas do governo estadual ou federal.

Segundo ele, a solução palia­tiva é realizar operações tapa-buraco nas rodovias. Também associa o excesso de buracos ao tráfego pesado.

No momento inexiste um cro­nograma de atividades e me­lhorias. Textor apenas cita que os reparos são feitos de acordo com as necessidades e deman­da de cada trecho.

Problema parecido

Rodovias como a RS-332 tam­bém apresentam trechos em esta­do precário. Municípios da Região Alta do Vale do Taquari esperam há dois anos por melhorias mais eficazes na estrada que liga En­cantado a Arvorezinha. A última operação tapa-buracos feita em julho não solucionou o problema.

Acompanhe
nossas
redes sociais