Patrimônios históricos Deterioram

Notícia

Patrimônios históricos Deterioram

Por

Um estudo divulgado em novembro de 2011 mostra uma realidade alarmante. Dos 35 prédios históricos de Lajeado documentados no Inventário do Patrimônio Cultural, 12 foram demolidos e outros três modificados pelos seus proprietários. Apenas a estrutura da Casa de Cultura foi tombada.

Para evitar que os prédios históricos restantes desapareçam, a administração municipal e o Ministério Público (MP) pretendem criar normas para realização de obras ou modificações.

Conforme determinação do promotor Neidemar Fachinetto, por meio de um Termo de Cooperação Institucional, o município precisa apresentar, em até 120 dias, projetos de lei que mantenham preservadas as características dos patrimônios históricos.

cSegundo o secretário de Cultura e Turismo (Secultur), Gerson Teixeira, dois projetos foram apresentados ainda em 2009, ambos aprovados pelo Conselho Municipal de Cultura. No entanto, nenhum foi enviado para apreciação do Legislativo. “Agora o MP exige que estes projetos sejam feitos”, alerta.

Um deles prevê incentivos financeiros e isenção de taxas para que os proprietários mantenham os prédios históricos em boas condições. Também proíbe a modificação ou destruição das fachadas originais. “Assim como ocorre em Porto Alegre, em especial na área central e próximo da rodoviária.”

A outra proposta de lei sugere a criação de uma “área histórica” no centro da cidade. Fariam parte as ruas Osvaldo Aranha, Silva Jardim, e algumas transversais da Júlio de Castilhos, além da via principal da cidade. “Muitas cidades fazem isso para atrair turistas, preservando a história do município.”

Município quer comprar prédio

Localizada na rua Osvaldo Aranha, a antiga residência do ex-prefeito lajeadense e deputado estadual pela União Democrática Nacional (UDN), Bruno Born, é uma das mais antigas na cidade. Com janelas quebradas e problemas na infraestrutura, o local serve como refúgio para usuários de drogas.

Ela encabeça a lista de prédios históricos do inventário cultural. A administração municipal estuda uma forma de pagar R$ 135 mil pelo imóvel. “Por meio de emendas, tentaremos recursos para reformá-lo.” Uma das ideias seria transformá-lo em um museu. Hoje, o Museu Bruno Born está localizado na Casa de Cultura.

“É preciso oferecer mais ao turista”

Teixeira comenta que, em viagens pela Europa, observou a preservação de prédios antigos, construídos há mais de mil anos. “Turistas viajam para ver estes locais. Aqui não conseguimos manter prédios com menos de um século”, observa. Ele comenta que o turismo histórico atrai visitantes para cidades brasileiras, e cita como exemplo Salvador, na Bahia.

O presidente da Associação dos Municípios de Turismo do Vale do Taquari (Amturvales), Vanildo Roman enaltece a proposta de manter intactas as fachadas dos prédios. Ele comenta que os locais precisam ter histórias fundamentadas. Para ele, apenas o fato de serem antigos não significa que devam ser tombados.

Ele endossa o comentário de Teixeira, e diz que estas construções podem valorizar os roteiros turísticos desenvolvidos na região. “Fui para o Recife na última semana e percebi que a maioria dos turistas prefere visitar pontos históricos. A praia fica em segundo plano.”

Marques de Souza tombou três prédios

Em 2002, o distrito de Tamanduá serviu de cenário para o filme nacional “A Paixão de Jacobina”. O longa teve a participação de atores como Thiago Lacerda e Letícia Spiller. Três residências utilizadas no longa-metragem foram tombadas como Patrimônio Municipal naquele ano.

Segundo o secretário de Educação, Jurandir Brenner, os proprietários dos imóveis não precisam pagar o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). “Eles só devem manter as casas em dia.”

Após dez anos uma das casas, localizada na estrada geral, está abandonada. Cheia de cupins e com parte do assoalho quebrado, está prestes a ruir. Brenner lamenta a situação e promete buscar uma forma de reformá-la. “O local se tornou um ponto turístico.” O proprietário do imóvel, Nilson Cavalleti não quis se manifestar sobre o assunto.

Acompanhe
nossas
redes sociais