Postos de saúde terão 23 novos médicos

Notícia

Postos de saúde terão 23 novos médicos

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A responsabilidade pelo atendimento médico nos postos de saúde da cidade será de uma em­presa de Bento Gonçalves a par­tir de quarta-feira. Para suprir a demanda necessária deverão vir para a cidade 23 novos profissio­nais. No total serão 58 que aten­derão 15 postos e três Centros de Atendimento Psicossocial (Caps).

Na segunda-feira será assinado o contrato entre administração municipal e a empresa que subs­tituirá a Unimed. Nesse dia os médicos receberão uma proposta para permanecerem trabalhando nos postos, visto que já são con­tratados pela responsável.

medEm setembro, a Unimed rom­peu o contrato de seis anos com o município, pois enfrentava difi­culdades em manter médicos tra­balhando com as normas e preços estipulados no contrato.

Devido à dificuldade de encon­trar outra empresa interessada em assumir a responsabilidade, a Unimed seguiu com a prestação do serviço até esta semana. A ge­rência de operações garantiu que manteria o atendimento até que o município firmasse novo acordo.

A empresa que será contratada também terceiriza o trabalho, por licitação, do Serviço de Atendimen­to Móvel de Urgência (Samu). Serão mais de três mil horas de atendi­mento por mês e os gastos são de aproximadamente R$ 150 mil.

A principal reclamação da pres­tadora de serviço partiu dos mé­dicos. A questão financeira pesou na decisão. Em nível nacional um médico ganha R$ 80 por consulta. Em Lajeado recebe R$ 67 por hora trabalhando pelo município e R$ 60 por hora no hospital.

A empresa fornecia 40 médicos para atendimento nas 15 unida­des de saúde, sendo que 18 deles vinham de outras regiões. Seriam necessários 58 profissionais.

O secretário da Saúde de Lajeado, Renato Specht afirma que não fal­tarão médicos nos postos e garante que todos seguirão em funciona­mento. “É apenas um processo de licitação em busca de melhores pre­ços e qualidades nos serviços.”

Ele cita que a carência de pro­fissionais da área médica é preo­cupante, mas diz que sempre há formas de buscar profissionais em outras cidades. A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) tam­bém terá uma licitação distinta dos postos e do Samu.