Majolo paga funcionários dois anos após falência

Notícia

Majolo paga funcionários dois anos após falência

Por

Dreams - Lateral vertical - Final vertical

A angústia de 1.010 trabalhadores da Calçadas Majolo aca­ba na próxima sema­na. O administrador judicial da empresa, Evandro Weishei­mer, anunciou o pagamento das dívidas trabalhistas dois anos depois da falência, ocor­rida em setembro de 2009.

A informação foi dada à co­missão dos ex-funcionários e ao Executivo ontem à tarde, no Fórum do município. Segundo a secretária de Indústria e Co­mércio, Jaqueline Kuhn, o di­nheiro foi arrecadado com as vendas do prédio da filial em Travesseiro e do maquinário.

maj

A dívida com os trabalha­dores é de quase R$ 7 milhões. Eles receberão o valor equiva­lente a outubro de 2009 até hoje. O montante será corri­gido de acordo com o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M).

Os ex-funcionários se sur­preenderam com a notícia. Elisane Sandra Bruxel, 35, in­tegrante da comissão forma­ da depois da falência, acredi­tava que o anúncio poderia demorar mais alguns meses. “Nestes dois anos tivemos di­versas reuniões, mas nunca nos davam uma data para o pagamento.”

Quando houve a convocação para participar do encontro de ontem, Elisane conta que esperava que o prazo seria prorrogado mais uma vez. Nas negociações, os funcionários sinalizavam com o pagamen­to em parcelas, mas a empresa conseguiu honrar a dívida em sua totalidade.

O dinheiro será depositado nas contas dos funcionários entre os dias 12 e 16, em ordem alfabética (veja o cronograma no boxe).

Agora a empresa tem que pa­gar os demais credores. A esti­mativa é de que ocorra no pri­meiro semestre de 2012, com a venda do prédio de Arroio do Meio, alguns materiais de es­critório e produtos estocados.

Reforço na segurança

Jaqueline acrescenta que a Brigada Militar aumenta­rá a segurança próximo do Banrisul. O receio é de que a divulgação do pagamento e a circulação de uma grande quantidade de dinheiro cha­me a atenção de bandidos.

A secretária orienta os be­neficiados a retirarem o di­nheiro em pequenas quan­tidades, de acordo com a necessidade. Uma parceria com o Banrisul permitiu a abertura de uma conta-cor­rente com isenção de tarifas.