Dinheiro extra estimula vendas de fim de ano

Notícia

Dinheiro extra estimula vendas de fim de ano

Por

Com o pagamento do 13º salário, o comércio amplia horários de atendimento e contrata temporários para atender o aumento da demanda. Promoções e condições especiais de pagamento são benefícios proporcionados pela concorrência no setor.

O Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que há 79,2 mil trabalhadores na iniciativa privada e pouco mais de 9,6 mil servidores públicos na região. Ao lado dos cerca de 34 mil aposentados e pensionistas, estes trabalhadores receberão mais de R$ 58 milhões em função do pagamento do 13º salário, grande parte destinada às festas de fim de ano.

comO pagamento será dividido em dois depósitos, o primeiro até 30 de novembro e o segundo, com descontos para a Previdência Social e o Imposto de Renda na Fonte (IRF), deve ser liberado até 20 de dezembro. Aposentados e pensionistas tiveram metade do valor antecipado na metade do ano.

Em Lajeado, a projeção da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) é de um incremento de 10% no faturamento em relação a dezembro de 2010 e mais de 35% em relação a novembro deste ano. Segundo a dona de casa Marta Santos, moradora de Marques de Souza, a falta de opções nesses municípios leva os consumidores a visitarem cidades maiores. Na manhã de quinta-feira, ela esteve no centro de Lajeado em busca de presentes para as dez crianças de sua família.

Havia reservado R$ 1 mil para as compras, mas após visitar as lojas descobriu que gastará no mínimo 25% a mais. “O 13º salário é sempre uma boa notícia para aliviar as contas nessa época.” Marta planeja as compras desde a metade do ano e decidiu que fugirá dos juros ao comprar tudo à vista.

Concorrência é benéfica

Esta é a dica do consultor financeiro Élio Haas, além de redobrar o cuidado na hora de optar pelo crediário. Exageros e os custos das celebrações podem fazer faltar dinheiro para as despesas comuns do início do ano. Entre eles o IPVA, IPTU, acréscimos em locações e os gastos típicos do período. Quitar dívidas e pesquisar preços são bons conselhos para não se endividar no fim de ano.

O gerente de uma loja de eletro e eletrônicos em Lajeado, Cassiano Horst diz que cada vez mais pessoas têm optado pelas compras à vista. Mesmo assim, o crediário segue firme facilitado pela concorrência de preços que garante vantagens aos clientes.

Para dar conta do aumento da demanda, semelhante a projeção da CDL, foram contratados dois funcionários temporários e dois menores aprendizes. Os jovens foram recrutados em um curso de práticas comerciais do que a loja patrocina no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Horst diz que é cada vez mais comum as classes C, D e E buscarem produtos como televisores, câmeras fotográficas, mobiliário e eletrodomésticos. Grande parte dos clientes pesquisa preços e é comum que visitem a loja com impressos contendo promoções dos concorrentes em busca de descontos.

Horários

Lajeado e Cruzeiro do Sul

3 e 10 de dezembro: até as 17h

17 de dezembro: até as 18h

15 e 16 de dezembro: até as 20h

19 até 23 de dezembro: fecha às 21h30min

18 de dezembro: das 16h30min às 21h30min

24 de dezembro: até as 17h

31 de dezembro: até as 17h

Arroio do Meio e Muçum

3, 10 e 17 de dezembro: até as 17h

5 até 9 de dezembro: fecha às 19h

12 até 16 de dezembro: até as 19h

19 até 23 de dezembro: até as 20h

18 de dezembro: das 17h às 20h30min

24 de dezembro: as lojas abrem até as 17h

Estrela

3 e 10 de dezembro – até as 17h

17 de dezembro – fecha às 18h

19 até 23 de dezembro: até as 21h30min

18 de dezembro: das 17h às 21h

24 de dezembro: as lojas abrem até as 17h

Queda no endividamento

Segundo o resultado da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência das Famílias gaúchas (PEIC-RS), o percentual de famílias gaúchas endividadas ficou em 53,2% no mês de novembro. Este é o menor nível desde janeiro de 2010 e 18% abaixo do índice de novembro do ano passado. A queda nos índices de endividamento tem relação com as medidas de restrição ao crédito oferecido pelas instituições financeiras. Conforme a pesquisa, os principais tipos de dívida dos gaúchos são cartão de crédito (69,3%), crédito pessoal (28,0%) e carnês (21,7%).