Patram aumenta fiscalização na época da piracema

Notícia

Patram aumenta fiscalização na época da piracema

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Dois barcos e três po­liciais atuarão em novembro, dezembro e janeiro para inibir ações ilegais dos pescadores.

Só na semana passada a fis­calização da Patrulha Ambien­tal da Brigada Militar (Patram) apreendeu 260 metros de rede, cinco tarrafas e dois espinheis.

piraConforme o soldado Dari Jú­lio Scherer, responsável pelo comando da Patram, pescar com rede na época da pirace­ma pode acarretar multas que variam de R$ 700 até R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20 por quilo de peixe apreendido. A pena por crime ambiental varia de um a três anos de de­tenção.

Dari informa que a patrulha ocorre em toda bacia do Rio Taquari, entre Santa Tereza e a divisa de Taquari com General Câmara. Segundo ele, há gran­de incidência de pesca ilegal na barragem de Bom Retiro do Sul, na cidade de Mariante, e no bairro Carneiros, em Laje­ado, próximo da divisa do Rio Taquari com o Rio Forqueta.

Pescador profissional há mais de 15 anos, Pedro Augus­to Dresler afirma que a fiscali­zação precisa de maior efetivo. Segundo ele, é comum avistar pescadores desabilitados ins­talando redes durante a ma­drugada, e retirando-as antes do amanhecer. “Eles não estão pensando no futuro. Pensam apenas no lucro imediato.” Durante as “férias” forçadas, Dresler pretende aproveitar o tempo para investir em outras áreas. “Todo ano ocorre isso, por isso é bom buscarmos ou­tras formas de renda durante este período.”

Saiba mais

O período de deso­va dos peixes ocorre de outubro a maio em todo o Brasil. No esta­do é de 1º de novem­bro até 31 de janeiro. Neste período, pesca­dores profissionais e amadores estão auto­rizados a pescarem só com caniços e anzóis simples, sendo apenas um por pescador. Am­bos podem utilizar ou não embarcações, e o limite de pesca não poderá ultrapassar cinco quilos por dia. O tamanho do peixe deverá ser respeitado. Quem não tem habi­litação para pesca só poderá fazê-la nas en­costas.