Feira reforça integração entre agricultores

Notícia

Feira reforça integração entre agricultores

Por

A comunidade Católica Nossa Senhora de Fátima de Linha Wink, na divisa entre Estrela e Teutônia, realiza de sábado até terça-feira, fe­riado da Proclamação da República, a oitava edição da ExpoWink – Fei­ra Comercial, Industrial Agropecuá­ria e Agroindustrial.

winkConforme um dos organizadores, Valdir Hauschild, a primeira edição foi realizada em 1997 e na época a entidade investiu R$ 34 mil na construção do ginásio e precisava arrecadar dinheiro para efetuar o pagamento. “Com apoio das admi­nistrações municipais, cooperati­vas, empresas e dos sócios organi­zamos a feira que no primeiro ano teve 32 expositores e mais de 15 mil visitantes. Foi um sucesso.”

Hauschild diz que o foco do evento é integrar os moradores e valorizar a agricultura familiar, sustentada pela produção de grãos, leite, suínos e aves. A comunidade é a maior ge­radora de ICMS aos cofres públicos de Estrela. Em 2010, as vendas no talão de produtor movimentaram R$ 24.217.814,41, o que equivale a 19% do total da arrecadação do se­tor primário do município.

Exposição sustentável

A feira não será restrita à agricultura e exposição de má­quinas. A sustentabilidade será discutida. A Emater/RS-Ascar, de Teutônia, exporá o silo ecológi­co, composto com pneus descar­táveis de trator.

É a segunda vez que esse tra­balho será mostrado em uma feira de interior. Segundo a ex­tensionista Cláudia Paraíba, a primeira ocorreu na Festa de Maio, de Teutônia. “Esse tipo de silo existe desde 2004, mas é pouco divulgado no estado.”

A base é feita com tijolos e ci­mento. Sobre ela é afixada uma tela, que ajuda na secagem dos grãos, enquanto quatro pneus de trator servem para estocar até 40 sacas de milho.

Cláudia acrescenta dois fato­res que podem estimular os pro­dutores a adotar a nova técnica: o baixo custo e a durabilidade. Para montar a base, os interes­sados gastarão cerca de R$ 300. Os pneus são arrecadados em borracharias ou empresas.

O material usado é o radial. “Como eles não podem ser usa­dos para confeccionar sapatos, porque têm malha de ferro, po­demos fazer esse tipo de traba­lho devido à resistência.”

A Emater exporá uma cisterna construída com pneus de cami­nhões. O sistema pode armaze­nar até mil litros de água.

Os números

A comissão organizadora espera re­ceber um público de 30 mil pessoas nos cinco dias de festa. Foram vendidos 180 espaços. Cada expositor pagou R$ 800 pelo estande e em contrapartida recebeu 20 cartões de almoço.

A expectativa é de servir quatro mil almoços durante a feira ao preço de R$ 15 por pessoa. Devem ser consumidos três mil quilos de carne e 450 dúzias de ovos. A feira está orçada em R$ 200 mil. O lucro do último evento ficou pró­ximo dos R$ 50 mil.

No domingo e na terça-feira, à tar­de, será cobrado ingresso de R$ 3 por visitante. Em 2009, em dois dias, cerca de 20 mil pessoas passaram pelo local. O parque tem mais de dois mil metros de área coberta e quase 8 hectares para estacionamento. Durante quatro dias, 12 bandas farão shows musicais.

Presente desde a primeira edição

O agricultor Liro Weber, 75, participou das sete edições da festa. Em sua banca, montada na copa do pavilhão da comuni­dade, estarão expostos os artesa­natos em madeira. O trabalho é feito desde 1992, quando parou de trabalhar na lavoura devido a problemas de saúde.

Weber conta que o progresso da feira o motiva a participar. “A comunidade evidencia seu potencial nos estandes da Expo­Wink.” Outro motivo apontado é o incentivo dos organizado­res.

Ele ressalta que, em outras feiras, a compra de espaço é cara para o trabalho que faz – por mês, ele ganha cerca de um salário mínimo com o artesana­to. “Aqui é a chance que tenho de mostrar meus produtos e o meu espaço é quase de graça, porque ninguém queria.”

O artesão não se restringirá à venda dos seus produtos. O acor­do com a organização prevê que ele venderá, também, os talões para a compra dos almoços.

Trabalho voluntário

Hauschild cita que o sucesso da feira se deve à integração dos moradores. “Aqui todos tra­balham de forma voluntária. Graças a essa soma de esforços conseguimos promover uma das maiores feiras no interior do es­tado.”

Observa que essa união resul­ta em benefícios e obras a todos. “Conseguimos o asfalto, progra­mas de incentivo à agricultura, melhorias na rede elétrica, assis­tência técnica de cooperativas e empresas e ajuda financeira para manter nossa entidade.”

Comenta que são de 200 pes­soas envolvidas na organização.