Diretor pede doações

Notícia

Diretor pede doações

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A falta de dinheiro para me­lhorar a estrutura do Pre­sídio Estadual de Lajeado é debatida na reunião da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat), nesta sexta-feira, em Putinga. O diretor da prisão, Luis Fernando Ferreira apresenta uma relação de materiais que precisam e pedirá apoio dos prefeitos.

Ferreira solicitou ajuda dos prefeitos ao presidente da Amvat e prefeito de Westfália, Sérgio Marasca, em uma reunião fecha­da na semana passada. Marasca convidou Ferreira e o delegado da 8ª Região Penitenciária, Anderson Louzado, para explicar a situação aos 40 municípios da entidade.

cadeiaO prefeito de Estrela, Celso Bröns­trup, ressalta que os municípios concordaram em fazer doações para o presídio, durante uma reu­nião da Amvat em 2010, mas que a iniciativa perdeu força quando o estado anunciou que construiria um novo presídio.

Brönstrup salienta que o muni­cípio poderá ajudar a diretoria da casa prisional, mas critica a falta de empenho do governo do estadual para resolver o problema do sistema penitenciário. “É muito fácil reivin­dicar para os municípios, em vez de cobrar do estado.”

Ele sugere a mobilização da Amvat para que os prefeitos encon­trem uma solução para o sistema carcerário. Para o prefeito de Encan­tado, Paulo Costi, os administradores municipais precisam formar uma comissão para solicitar à Secretaria de Segurança Pública (SSP) mais in­vestimentos na região.

Costi se nega a auxiliar o presídio de Lajeado com dinheiro. Encantado tem um presídio que carece estrutu­ra e afirma: a mobilização financeira será com as administrações munici­pais da região alta para melhorar a casa prisional encantadense.

O encantadense quer reunir os prefeitos para construir um albergue na região alta do Vale e poder usar os presidiários do regime semiaberto para prestar serviços.

Outros assuntos

Os prefeitos debatem outros dois assuntos em Putinga. O pri­meiro será a criação do pré-ter­ritório rural com a participação do delegado federal do Ministé­rio do Desenvolvimento Agrário, Nilton Pinho de Bem.

Marasca acredita que a pro­posta terá a adesão da maioria dos gestores, pois possibilitará a solicitação de recursos federais para aplicar em programas fe­derais na região, como o Pro­grama Luz Para Todos.

O outro assunto é a alteração nas contas dos clientes rurais da Certel que, nos últimos 30 dias, passaram a pagar 25% de ICMS, em vez de 12%. Isso ocor­re porque o governo do estado inativou a inscrição de diversos produtores que se aposentaram e, com isso, não tem mais o des­conto. A explicação será dada pelo gerente comercial da em­presa, Ernani Mallmann.