Clientes exigem solução para postes pendidos

Notícia

Clientes exigem solução para postes pendidos

Por

Cinco meses depois de o jornal A Hora publicar a reportagem sobre a insatisfação dos clien­tes da AES Sul na região, postes de madeira continuam inclina­dos e os de concreto, à espera de instalação.

Moradores de Linha Lenz, em Estrela, criticam a atuação da empresa e afirmam que algu­mas armações de concreto estão ao lado dos postes de madeira há mais de seis meses. Em 150 metros, três postes de concre­to estão, desde março, no chão. Motoristas precisam manobrar para desviarem, aumentando os riscos de acidentes.

Conforme a moradora Lisane Diehl, os técnicos da AES Sul pro­meteram a troca, mas naquele dia choveu e o trabalho ficou sem ser feito. “É só dar um ven­tinho que a gente fica sem luz.”

O casal Marilene e Moacir Fei­ne reclama do descaso e conta que no sábado o fornecimento de energia foi interrompido às 6h e só voltou às 9h. “Eles estão esperando que aconteça uma tragédia para solucionar o pro­blema.”a

Em Arroio do Meio, depois do temporal ocorrido em fevereiro de 2010, cinco postes de madei­ra ficaram inclinados nas ruas próximas da Corsan, no centro da cidade. Motoristas e pedes­tres correm riscos ao transitar na rua General Daltro Filho.

A AES Sul instalou uma haste de madeira para sustentar o pos­te que inclinou nas chuvas da úl­tima semana. Moradores ligaram para a empresa pedindo solução, mas ainda não foram atendi­dos. “O provisório permanece até hoje”, reclama um morador. No fim de semana, uma ventania inclinou outras sustentações de fios defeituosas. O peso dos cabos de alta tensão preocupa. Agora, já são cinco postes de madeira que ameaçam cair.

AES SUL promete

O coordenador opera­cional da AES Sul, Gilberto Schleder afirma que substi­tuirá os postes ainda neste mês. Em Arroio do Meio foram instalados, 340 pos­tes de alta tensão e serão substituídos outros 650. Em Estrela, foram trocados 937 postes, restando ainda 356 para serem instalados até o fim do ano.