Zen está fora do PP

Notícia

Zen está fora do PP

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Ex-presidente do Partido Progressista (PP) de Lajeado, o vice-prefeito Sedinei Zen decidiu, na manhã desta sexta-feira, abandonar o partido pelo qual foi filiado por 29 anos, e que presidiu de 1993 até maio deste ano. A decisão ocorre no mesmo dia da Convenção Regional do PP, com presença da senadora Ana Amélia Lemos.

z

Zen diz estar insatisfeito com a administração coordenada pela prefeita Carmen Regina Cardoso, mas prefere não citar setores ou nomes. Ele garante que cumprirá com as obrigações de vice-prefeito até o fim do mandato. Sua decisão é definitiva e a assinatura da desfiliação ocorrerá na próxima semana. Segundo ele, está descartada a possibilidade de se filiar a outro partido.

A prefeita Carmen foi procurada para comentar sobre a desfiliação e as críticas direcionadas a ela pelo seu vice-prefeito e colega de partido. Quem respondeu foi o coordenador da assessoria de imprensa. “Ninguém se pronunciará.” O atual presidente do PP, Marcelo Caumo atendeu a ligação em Paris, na França, onde aproveita suas férias. “Ainda não fui comunicado desta decisão. Prefiro me manifestar quando estiver de volta ao Brasil.”

Filiado ao partido, o ex-prefeito Cláudio Schumacher comenta que a saída de Zen significa uma perda para a sigla. “Sempre foi um grande companheiro, que fez excelente trabalho para o crescimento do partido.” Zen afirma que apoiará uma possível candidatura de Schumacher.

Entrevista

Jornal A Hora – Desde quando estava no partido e quais os cargos ocupados?

Sedinei Zen – Me filiei no PP em 1982, e fui secretário de Obras de 92 a 94. Presidi o partido de 93 até maio deste ano, e sou vice-prefeito de Lajeado desde 2005.

A Hora – Qual o motivo da saída a um ano das eleições?

Zen – Tem muitas coisas que não concordo na administração municipal. São divergências acumuladas e por isso preferi me retirar. Como sempre dizem, os insatisfeitos que se retirem. Não vou entrar em detalhes para não causar polêmica e intrigas.

A Hora – Você não teve influência no governo conforme desejava? Como era a relação com a prefeita Carmem?

Zen – Nunca procurei me influenciar ou me impor. Sempre quis fazer a administração funcionar. Infelizmente, isso nem sempre foi possível. Tive divergências que me fizeram tomar esta decisão. Não concordo com a forma como o a prefeita direciona algumas coisas.

A Hora – Por exemplo?

Zen – Não vou entrar em detalhes. Seria mais desgastante. Prefiro não comentar.

A Hora – E as eleições do próximo ano?

Zen – Tenho uma relação e um respeito muito grande pelo Claudio Schumacher. Se ele for candidato a prefeito, estarei militando e fazendo campanha. Do contrário, estou fora. Não vou me filiar a nenhum outro partido. Vou cuidar da minha vida privada, onde tenho escritório de engenharia e uma construtora.

A Hora – Qual será seu envolvimento no governo, pois afinal, segue como vice-prefeito?

Zen – Eu já estava afastado da administração municipal nos últimos tempos. As coisas já não funcionavam mais. Agora vou cumprir com as obrigações que o cargo me impõe. Substituir a prefeita em suas saídas, atendimento às pessoas, etc.