Vale terá mais mão de obra qualificada

Notícia

Vale terá mais mão de obra qualificada

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Em até dois anos a região terá uma escola com ensi­no gratuito para qualificar os profissionais. Lajeado foi uma das sete cidades escolhidas no processo para receber uma Escola Técnica Federal.

A prefeita de Lajeado, Carmen Regina Pereira Cardoso e a coordena­dora da Comissão da Educação, Elo­ede Conzatti, estão em Brasília para assinar o convênio com o governo federal para a construção do prédio.

A presidente Dilma Rousseff deve anunciar a ampliação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Nele consta a construção de sete escolas no estado: Santo Ângelo, Vacaria, Sapiranga, Alvorada, Gravataí e Viamão. Elas se somam com as outras 33 existentes.

tecO investimento do governo para cada uma delas é de R$ 10 milhões. Em contrapartida as administra­ções municipais cedem as áreas para a construção dos prédios. A ca­pacidade inicial de cada uma delas é de cem vagas.

Em Venâncio Aires o prédio do Ins­tituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense (IFSul) estará concluído em setembro. O município participou do processo de licitação em 2007.

Desde o início do ano, as aulas são ministradas em um prédio alugado da Unisc. Conforme o diretor geral do campus, Marcelo Bender Macha­do, uma escola federal na cidade for­talece a região.

Para ele, a qualificação profissio­nal em áreas diferentes das que hoje são oferecidas deve gerar crescimen­to nos empreendimentos instalados, além de gerar uma expansão na ofer­ta de novos produtos e empresas.

Machado afirma que a Escola Técnica Federal não deve anular as iniciativas existentes no município na área de educação profissional e tecnológica, mas criar novas al­ternativas que beneficiem a região como um todo.

O diretor geral participou do processo de implantação da escola técnica de Charqueadas em 2006.

E agora desenvolve o mesmo tra­balho em Venâncio Aires. Na escola há hoje 150 alunos, distribuídos nos cursos de informática, rede de gera­ções e climatização, e eletromecâni­ca. Para 2013 o diretor prevê cursos superiores.

Os cursos são gratuitos e para ingressar na escola é preciso passar por um processo seletivo, semelhan­te a um vestibular.

A aluna Sara Brietzk, 15, de Boa Esperança Alta, Cruzeiro do Sul, es­colheu fazer o técnico em Informáti­va em vez do curso de Ensino Médio comum em função das oportuni­dades profissionais. “Serão quatro anos estudando, mas tenho a certe­za de que estarei preparada para o mercado de trabalho.”

Sua colega, Regina Inês Kerber, 16, do Acesso 20 de Março, Mato Leitão, diz que as oportunidades a partir da qualificação serão muito grandes. Ela diz que no início a rotina mudou bastante e em função disso cerca de dez colegas desistiram. “Os professo­res daqui possuem mestrado e dou­torado e a cobrança é bem grande.”

A disputa das cidades

Cinco cidades da região – Taquari, Encantado, Teu­tônia, Lajeado e Arroio do Meio – se credenciaram para ser sede da escola técnica. Como pré-requisito, o muni­cípio ofereceu uma área com estrutura pronta, para que a união a reforme e possa in­vestir no local com profissio­nais e equipamentos. Cada curso oferecido precisa de um laboratório completo.

A administração munici­pal de Lajeado apresentou quatro projetos à comissão. Área oferecida 1, localizada junto ao Distrito Industrial, bairro Centenário, com 25 mil metros quadrados; área 2, localizada no bairro Con­ventos, com 20 mil metros quadrados; área 3, localiza­da no bairro São Bento, com 28 mil metros quadrados; e área 4, localizada no bairro Igrejinha, com 20 mil metros quadrados.

Arroio do Meio ofereceu a infraestrutura da antiga Es­cola Evangélica Luterana São Paulo, localizada no centro.

Taquari ofereceu um pré­dio de 6,7 mil metros qua­drados. No local funcionava um seminário que foi desati­vado na década de 90. De­pois foi usado pelo Instituto Taquariense de Educação e Cultura e em seguida aluga­do para a Univates.

O projeto desta cidade ainda não foi descartado. O instituto pretende criar um campus avançado – espé­cie de extensão – na cidade. Uma equipe técnica de en­genharia visitou as estruturas para analisá-las.

Todos os projetos da região foram encaminhados para a Secretária de Educação Pro­fissional e Tecnológica, no Ministério da Educação.

Os caminhos da região na busca da escola

– Novembro/2009 = criada a comissão regional de educação;

– Dezembro/2009 = primeiro debate do ensino na região, com a contratação para uma pesquisa de mercado;

– Março/2010 = eleitas as prioridades da região na área;

– Abril/2010 = foi entregue um documento com as prioridades para o secretário nacional do ensino profissionalizante;

– Julho/2010 = Palestra com demonstrativo de cursos oferecidos pelo Ministério da Educação (MEC);

– Agosto/2010 = reunião sobre catálogos dos cursos;

– Novembro/ 2010 = definição dos eixos e cursos que devem ser criados na região: técnico em Mó­veis, Técnico em Automação Industrial e Técnico em Mecânica.

– Março/2011 = criado setor estratégico da comis­são;

– Abril/2011 = Ministra dos Direitos Humanos Maria do Rosário declarou que a escola deverá ser implan­tada ainda neste ano na região;

– Junho/2011 = técnicos visitam áreas em Taquari e Lajeado;

– Agosto/ 2011 = representantes assinam convênio para implantação.