Acima do limite

Notícia

Acima do limite

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Desde o início do ano, 38.767 veículos foram flagrados na BR-386 circulando acima dos 60 km/hora permitidos. A velocidade foi estabelecida pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e não há previsão de alterações.

O departamento não se considera responsável pelo trecho e diz que há concessão pedagiada na rodovia, sendo que essa empresa é que deve realizar as melhorias no trecho.

radarOs flagrantes são feitos pelo radar móvel fotográfico e representam uma média diária de 191 veículos. O trecho é considerado o mais perigoso do estado e é alvo de críticas dos condutores por ser malconservado.

O motorista Evanir Ferreira, de Estrela, diz que foi flagrado duas vezes na rodovia. Em ambas circulava com velocidade acima de 70 km/h. Ele reclama do limite permitido e das condições da rodovia, com buracos e desníveis. “Em pontos a rodovia assemelha-se à montanha russa.”

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) monitora o local desde o dia 6 de julho de 2009. A ação foi planejada para reduzir o número de acidentes e conscientizar os condutores a dirigirem conforme as normas.

Foram delimitados com sinalização oito pontos, no trajeto entre o posto da PRF em Conventos até o trevo de Estrela. Na pista passam cerca de 15 mil veículos por dia. Desde o início da campanha, a PRF anunciou que fiscalizaria menos se os números de acidentes reduzissem.

A velocidade foi estabelecida em lei que determina 60 km/h para áreas urbanas e em cruzamentos perigosos 50 km/h.Das imagens captadas 90% são aproveitadas para aplicar as multas. Os 10% são fotografias que o equipamento não registra com precisão.

Conforme o chefe do posto rodoviário da 4ª delegacia da PRF de Lajeado, Adão Vilar Madril, desde que se iniciaram as fiscalizações com o radar, o número de mortes no trecho reduziu de forma significativa. Antes eram registradas em média duas mortes por mês. Agora, foram duas em dois anos.

Ele contesta a expressão “indústria de multas” e alega que as estatísticas comprovam a importância da fiscalização. Segundo ele, hoje os motoristas passam pelo trecho com mais cuidado.

Madril relata que há quatro anos o órgão encaminhou um ofício ao Departamento Autônomo de Estrada de Rodagem (Daer) solicitando a mudança da velocidade para 80 km/h. Mas, não teve retorno. Ele considera importante o aumento porque o trecho é sinalizado e duplicado.

Limite atual é para mascarar deficiências no trecho

Para o presidente da Câmara de Indústria e Comércio (CIC-VT), Oreno Ardêmio Heineck, o atual limite de velocidade é desatualizado. Segundo ele, o Dnit quer mascarar as deficiências da rodovia, aplicando multas.

Ele salienta que em outras rodovias federais, como a de Pelotas, os motoristas podem trafegar a 100 km/h em um trecho de pista simples, melhorando o fluxo. Heineck acredita que os limites deveriam acompanhar o movimento de cada estrada.

Ele reclama que as multas aplicadas são de cunho arrecadatório, pois como o trecho é duplicado, merece uma velocidade maior. “Me sinto agredido pelo sistema.” Acredita que dessa forma o trânsito se torna ainda mais perigoso porque muitos tentam a ultrapassagem.

Pedidos feitos aos órgãos

Pelo menos quatro pedidos foram encaminhados a órgãos estaduais e federais para aumento da velocidade na BR-386. O primeiro foi em julho de 2007 pela Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil) e CIC Vale do Taquari.

Foi solicitado o aumento da velocidade de 80 para 90 km/h nas rodovias de mão simples e para 100 km/h nas rodovias duplicadas.

Em abril de 2010, um ofício da CIC Vale do Taquari, do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), e das associações dos Prefeitos (Amvat) e dos Vereadores (Avat) do Vale do Taquari foi enviado ao deputado Beto Albuquerque, na época presidente da Frente Parlamentar do Trânsito Seguro.

Nele consta a solicitação de mudança de 60 para 80 km/h no trecho de perímetro urbano entre Lajeado e Estrela. De 80 para 90 km/h no trecho Estrela/ Tabaí, e de 80 para 100 km/h no trecho Tabaí/Canoas.

No dia 28 de maio de 2010, o Dnit encaminhou um ofício de resposta para a Acil. Ele cita que o trecho de Estrela/Lajeado está delegado ao estado e concessionado à Univias. E que no trecho Tabaí/Canoas é preciso ter uma mureta de proteção entre as pistas e um estudo técnico para aumentar a velocidade.

Em junho de 2010 foram encaminhados outros dois ofícios pelas mesmas entidades – para o Daer e Dnit.

Pontos do radar

– Próximo da entrada do Posto Fórmula 1

– Próximo da J.A.Sphor

– Unicshopping

– Fruki

– Entrada de Estrela

– Perto da passarela de Estrela (ambos sentidos)

– Entrada de Colinas

Velocidades e punições

68 km/h – 79 km/h (infração média) = 4 pontos na carteira + R$ 85,1

80 km/h – 97 km/h (infração grave) = 5 pontos na carteira + R$ 127,69

Acima de 98 km/h (infração gravíssima) = 7 pontos na carteira + R$ 574,62