Ampliações de empresas projetam o crescimento

Notícia

Ampliações de empresas projetam o crescimento

Por

Dreams - Lateral vertical - Final vertical

A aposta em diversificar a economia fez com que o município se tornasse referência em desenvol­vimento no Vale do Taquari. Nesta sexta-feira, Estrela completa 135 anos de emancipação.

O município é o segundo com maior previsão de crescimento or­çamentário neste ano. O aumento deve ser de R$ 6 milhões. Em 2010, o orçamento era de R$ 44 milhões e em 2011 passará para R$ 50 milhões.

lalaEm 2004, Estrela teve uma que­da de R$ 2,2 milhões do orçamento previsto para o arrecadado, mas há quatro anos supera sua receita e cresce pelo menos R$ 4 milhões por ano na economia.

A justificativa da administração municipal para essa expansão nos negócios é a criação de incentivos para receber novas empresas com credibilidade no mercado e a edu­cação fiscal.

Hoje, o governo municipal não in­veste em apenas um determinado setor. Os recursos são divididos. Isso garante a independência e os retor­nos. Conforme a secretária da Fa­zenda, Elaine Strehl, a diversificação movimenta recursos, contribui para aumentar o lucro às várias cadeias produtivas e contribui para o pla­nejamento financeiro do município, equilibrando as finanças.

As 226 indústrias instaladas repre­sentam 32% no retorno do município; os 704 comércios, 31%; os dois mil agricultores, 27%; e os 171 prestado­res de serviços, 10%.

A construção civil teve um au­mento nos últimos anos. Em mé­dia, são aprovados 60 mil metros quadrados de obras por ano, repre­sentando 350 plantas. Isto gera um Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) de R$ 3 milhões, representan­do 6% no orçamento de 2011.

No fim do mês de abril, a Funda­ção de Economia e Estatística (FEE) apresentou o Índice de Desenvol­vimento Socioeconômico para Rio Grande do Sul (Idese), dos seus mu­nicípios e Coredes. Estrela ficou em primeiro lugar na região ocupando a 26ª posição no estado.

O Idese mensura e acompanha o nível de desenvolvimento das cidades em quatro polos: educação; renda; sa­neamento e domicílios; e saúde.

Em educação, o município está na 73ª posição; em renda ocupa a 99ª; saneamento e domicílios estão na 57ª; em saúde passou da 229ª para a 144ª.

Empresa em crescimento

A empresa Promilk Agropecuária e Laticínios se instalou em Estrela de forma estratégica, considerando que a localidade se insere na bacia leiteira. Ela trabalha com pelo menos quatro mil produtores de leite. A matéria-prima é utilizada para produzir leite UHT longa vida integral e desnatado, leite condensado, creme de leite, quei­jo mussarela e queijo prato lanche, leite em pó e composto lácteo.

No setor agropecuário, o Grupo Promilk desenvolve trabalhos com re­cria de novilhas holandesas e Jersey, e venda de animais, por meio da Gran­ja Promilk. Localizado na Rota do Sol (RST 453, km 42,5), a empresa tem 86 funcionários e alcançou um fatura­mento de R$ 120 milhões em 2010.

Conforme a secretária da Fazenda, a empresa projeta ampliações para este ano. Eles pretendem abrir uma queijaria. A empresa gera 1,5% o va­lor adicionado do município.

A indústria divide espaços

Conforme dados da Secretaria Municipal de Planejamento, In­dústria e Comércio (Seplan), o setor da indústria representa 33% do orçamento da ci­dade. O ramo da trans­formação é o que mais contribui para esse percentual.

Em 2011, por exemplo, a estimati­va da Secretaria da Fazenda de Estrela é arrecadar cerca de R$ 3 milhões em ICMS, com o setor. O municí­pio desenvolve diversas ações para atrair novas empresas e fortalecer as atuais organizações estabelecidas.

Leis fiscais, com inves­timentos em infra­estruturas viária, tecnológica e ener­gia elétrica, áreas de terras e servi­ços de terraplena­gem, atraem as empresas para a cidade. As empre­sas Plastrela e Brasilata buscam ampliações para este ano.

O avanço da agricultura

As cadeias de leite, suínos e aves ocupam a primeira posição no setor primário do município e estão em cresci­mento. São mais de dois mil agricultores na cidade.

Neste ano, o destaque será na área dos suínos, com a instalação da empresa Laticí­nios do Vale, parceira da Co­operativa de Suinocultores de Encantado (Cosuel). Em uma área de 30 hectares cedida pelo município, a empresa constrói uma Unidade Produ­tora de Leitões (UPL).

A previsão de término da obra é outubro de 2012 e até lá será investido mais de R$ 20 milhões. Serão ergui­dos 20 galpões que abriga­rão 4,4 mil matrizes de suí­nos. Estas gerarão cerca de dois mil leitões por semana. A empresa está construindo também 14 casas para mo­radia das 30 famílias que serão empregadas.

Segundo um dos sócios do empreendimento, Luiz Henri­que Kaplan, mesmo com as obras em andamento, em 90 dias começam as atividades nos galpões concluídos. Ele cita que a Cosuel será a integradora da UPL e que os leitões serão trans­feridos aos associados que têm creches e fazem engorda.

O secretário da Agricultura, Paulo Scheren, destaca que a empresa auxiliará no cresci­mento do distrito tornando o local um polo no futuro. “Com novas moradias, será preciso prestadores de serviços e co­mércio nas proximidades.”

Scheren anuncia que até o fim do mês se iniciam as obras de asfaltamento da rua João Pedro Schmidt, que dá acesso à área da laticínios. Isto facilitará a migração das pessoas para a localidade.

O produtor de leite, Paulo Sulzbach, também escolheu Estrela para ampliar seus ne­gócios. Ele sempre morou na cidade, mas quando iniciou o trabalho pode optar em qual município gostaria de abrir sua empresa. Sua pro­priedade fica na divisa com Fazenda Vilanova, Estrela e Bom Retiro do Sul.

Sulzbach relata que rece­beu incentivos municipais em terraplenagem e má­quinas. Ele produz 2,4 litros de leite por dia, exclusivos para a empresa Languiru. Ele investiu no crescimento e adaptação da empresa e é considerado referência em seu trabalho.

O produtor quer ampliar sua propriedade, que hoje tem 190 vacas. Com apoio da esposa e dos três filhos ele também tem um aviário com capacidade para 14 mil frangos.