Presidiários recebem curso de pedreiro

Notícia

Presidiários recebem curso de pedreiro

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Nove apenados dos re­gimes semiaberto e fechado do Presídio Estadual de Lajeado receberam a oportunidade de mudar. Durante duas semanas eles aprenderam técnicas de pe­dreiros e na sexta-feira estarão formados para trabalharem na construção civil.

pedO curso foi ministrado pelo ins­trutor Sandro Roberto Levandos­cki do Serviço Nacional de Apren­dizagem Industrial (Senai). Os presos aprenderam sobre colagem em alvenaria, concreto, argamas­sa, alvenaria, reboco, alinhamen­to, prumo, nivelamento, esquadro e colocação de azulejos.

As aulas iniciaram na segun­da-feira da semana passada. São oito horas por dia de atividades, de segunda a sexta-feira. Elas fo­ram realizadas na sala multiuso, construída recentemente com recursos do Conselho da Comu­nidade Carcerária. Os presos do regime fechado obtiveram auto­rização judicial para participa­rem do curso.

Os motivos da aprovação da Justiça foram o bom comporta­mento e o laudo de transferência para o semiaberto, que alguns já têm agendado.

Eles reformaram o banheiro do pátio, colocando azulejo; pinta­ram o presídio por dentro e fora; rebocaram parte da parede ex­terna da sala multiuso e fizeram um contrapiso.

Os novos pedreiros estão sa­tisfeitos com o curso. Juliano Veronese, 32 anos, de Garibal­di, nunca tinha trabalhado na construção civil. As ferramentas, conversões de medidas e mane­jo eram um problema para ele. Nestas duas semanas Veronese teve noções básicas do trabalho, o qual pretende seguir quando estiver fora da cadeia.

Tário Lagemann, 34 anos, de Teutônia, trabalhou como ser­vente de pedreiro anos atrás. O curso serviu para ampliar seus conhecimentos na área, na qual pretende trabalhar quando esti­ver em liberdade.

Veronese e Lagemann consideram o ramo da construção civil a área de mais oportunidades para ressociali­zar o preso. “Aqui aprendemos téc­nicas de verdade. Como faltam pro­fissionais, na rua muitos aprendem apenas vendo outros trabalharem”, constata um dos presos.

O Senai inaugurou neste curso a unidade móvel de ferramentas, com máquinas como betoneira, furadeira, entre outros. Neste curso os alunos também tiveram aulas de empreendedorismo para abrirem seus próprios negócios.

Interessados em contratar os novos pedreiros podem encami­nhar a proposta de emprego para a administração do presídio.