Imposto barra diminuição do preço da gasolina

Notícia

Imposto barra diminuição do preço da gasolina

Por

O anúncio do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão sobre a redução do preço do etanol no início da semana não se concretizou na região. Apesar de ter baixado em R$ 0,08, o combustível subirá na segun­da-feira pelo menos R$ 0,06, contra­riando outros estados.

rouboSegundo o proprietário de um pos­to de gasolina de Lajeado, Evandro Fascina, nos quatro primeiros meses do ano ele perdeu R$ 200 mil que deixou de repassar ao consumidor devido a alta no preço. “Tivemos R$ 30 mil de prejuízo direto”, diz.

Em documento encaminhado aos revendedores, o diretor da Cooperati­va dos Revendedores de Combustíveis (Coopetrol), José Ronaldo Leite Silva, informa que o novo preço do litro da gasolina comum será de R$ 2,89, em um reajuste de R$ 0,05.

Silva justifica o aumento devido à nova taxa de Imposto de Circu­lação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), cobrado pelo governo estadual.

Fascina diz que, nos últimos qua­tro meses, os usineiros elevaram o preço do etanol em 182% devido à política de oferta e procura. Por determinação da presidente Dilma Rousseff, a Agência Nacional do Pe­tróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) assumiu o controle do produto que passou a ser tratado como com­bustível estratégico e não mais como derivado da produção agrícola.

Conforme Fascina, as medidas ado­tadas por Lobão para reduzir o valor do etanol não surtiram efeito, pois os revendedores perderam a margem de lucro ao fazerem aporte financeiro para renovar o estoque.

“Mesmo que baixe o preço, levará mais 20 dias para recarregar os tan­ques.” O posto que antes vendia 15 mil litros de etanol por mês, agora não ultrapassa os 1,5 mil.