Aulas ameaçadas por falta de professores

Notícia

Aulas ameaçadas por falta de professores

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A dificuldade em encontrar educadores para ocuparem as vagas disponíveis na 3ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) deve comprometer o ensino. O órgão procura profissionais para o ensino fundamental e médio em pelo menos nove disciplinas.

A coordenadora regional, Marisa Cecília Wickert Bastos, afirma que diversos professores rompem o contrato com o estado durante o ano porque são chamados em concursos e acabam abandonando as aulas. “Eles preferem a estabilidade”, cita.

professoresMarisa conta que há uma lista de nomes de profissionais aguardando convocação. Contudo, a maior parte deles quer ser nomeada. Ela destaca que pode ocorrer a falta de professores e a escola terá que trabalhar de forma coletiva – um educador de outra disciplina assumirá a carência.

A diretora do Colégio Estadual Presidente Castelo Branco de Lajeado, Silvia Maria Kuhn, afirma que a coordenadoria regional garantiu o preenchimento da vaga. A escola procura um educador para a disciplina de biologia. “Caso não haja candidatos ficaremos com a matéria em aberto”, lamenta.

O estudo de uma empresa de consultoria americana mostra que a Finlândia tem o ensino mais bem avaliado do mundo. Eles não premiam o professor pelo seu tempo de trabalho, mas atraem os melhores profissionais do mercado com altos salários e carreira promissora. As faculdades relacionadas à educação são as mais concorridas do país.

Escolas carecem de professores formados

A cada ano menos alunos ingressam em cursos de licenciatura nas universidades. E os que frequentam, em sua grande maioria são chamados para atuarem na área como estagiários.

Em escolas municipais de cidades menores, além da dificuldade de encontrar professores formados há o problema de aceitação em lecionar em uma cidade distante.

Em algumas são contratados estudantes de licenciatura em caráter emergencial para solucionarem parcialmente a necessidade da disciplina carente no ensino fundamental.

Em nível estadual a realidade mudou recentemente. Até o ano assado ainda sobravam professores para as vagas nas escolas. O sistema de cadastro de dados para contratos temporários permitia o acesso a pessoas interessadas em suprir as vagas existentes. Contudo, os interesses dos profissionais mudaram a carência de mão de obra oportunizando que eles escolhessem os melhores lugares para trabalhar.

Emprego garantido

Os alunos de Letras do Centro Universitário Univates, em sua maioria, já dão aulas em escolas da região. Eles são contratados pelo município de forma emergencial, visto que os profissionais sem formação não podem ser contratados por concurso.

Nos últimos anos o número de alunos reduziu significativamente. O curso de Letras durante 12 anos manteve-se com nota máxima na Avaliação Nacional do MEC e há quatro anos ficou em primeiro lugar no país. Em 2009, um semestre chegou a ser cancelado devido à baixa procura.

Professor municipal ganha o dobro que o estadual

Professores municipais são recebem remuneração maior que os estaduais. A base dos vencimentos da região é de R$ 840 para 22 horas semanais. O estado paga apenas R$ 349,63 para essa mesma categoria.

Em cada cidade, os professores recebem vencimentos de acordo com a formação do professor ou classe – correspondente às promoções que ele conquistou dentro do plano de carreira. Em novembro do ano passado a administração municipal de Santa Clara do Sul criou um plano de carreira para os professores e eles passaram a receber 30% a mais. A quantia de R$ 960 paga para 20 horas semanais subiu para R$ 1.250.

Na região outros municípios pagam salários diferenciados: Teutônia, paga R$ 1.248 para 25 horas; Imigrante, R$ 1.025, para 22 horas; Travesseiro remunera R$ 1.126,4 para 25 horas; e Poço das Antas, paga aos professores R$ 1.017 para 24 horas.

Vagas em aberto

– Professor de geografia para a Escola Estadual de Educação Básica Nicolau Müssnich, Estrela;

– Professor de ciências para a Escola Estadual de Ensino Fundamental Moinhos, de Estrela;

– Professor de história, português e matemática para a escola Jacob Arnt, de Bom Retiro do Sul

– Professor de história para a Escola Agostinho Costi, de Encantado.

– Professor de matemática para a Escola Estadual de Ensino Médio Luiz Gonzaga, de Progresso;

– Professor de português para a Escola Estadual de Ensino Fundamental Henrique Geiss, Marque de Souza;

– Professor de biologia para o Colégio Estadual Castelo Branco, de Lajeado.

Valores de remuneração de professores estaduais para 20 horas

R$ 349,63 (magistério)

R$ 402,07 (magistério + adicional)

R$ 454,51 (licenciatura curta)

R$ 524,44 (licenciatura curta + adicional)

R$ 646,81 (licenciatura plena)

R$ 699,26 (pós-graduação)

+ R$ 139,26 de vale alimentação

+ R$ 112 de vale transporte