Fiscalização aumenta para defender a piracema

Notícia

Fiscalização aumenta para defender a piracema

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

rioQuase três semanas após o início da piracema no Vale, pescadores insistem em desrespeitar a lei, prejudicando a reprodução dos peixes. No fim de semana, duas pessoas foram fla­gradas pela Brigada Militar (BM) pescando no Arroio Forquetinha, no município de mesmo nome. Encaminhados à delegacia foram liberados mediante pagamento de fiança de R$ 600 cada.

Segundo o soldado Gerson Kru­ger, foram apreendidas três redes, de 30, 40 e 50 metros cada. Os pescadores tinham 60 peixes na embarcação. “As espécimes eram principalmente de jundiá, cas­cudo e lambari. “Os dois foram liberados após pagarem fiança, mas responderão por crime am­biental”, informa Kruger.

Ele diz que o material reco­lhido será encaminhado para a Patrulha Ambiental (Patram). A partir dessa apreensão o traba­lho de combate à pesca ilegal re­alizado pela BM de Forquetinha será intensificado. “Pedimos para que a comunidade nos au­xilie denunciando atos suspei­tos praticados nos nossos rios e arroios”, solicita.

Multa pode chegar a R$ 100 mil

Pescar na época da piracema pode custar mais caro do que se imagina. De acordo com o soldado da Patram, Dari Júlio Scherer, as multas podem va­riar de R$ 700 a R$ 100 mil com acréscimo de R$ 20 por quilo de peixe apreendido. A pena por crime ambiental varia de um a três anos de detenção.

Scherer diz que, embora o efetivo da Patram esteja redu­zido – são dois barcos e três policiais atuando – o trabalho será intenso até o fim da pi­racema. Ele informa que o pa­trulhamento ocorre em toda bacia localizada entre Santa Tereza e a divisa de Taquari com General Câmara. “Fisca­lizaremos, principalmente, os principais pontos, que são bar­ragens e hidrelétricas, onde a pesca é totalmente proibida”, diz.

Outros trechos citados pelo soldado como de grande inci­dência de pesca ilegal encon­tram-se na barragem de Bom Retiro do Sul, na cidade de Mariante, e no bairro Carnei­ros, em Lajeado, próximo da divisa do Rio Taquari com o Rio Forqueta.

Fique atento

O período de desova dos peixes ocorre de outubro a maio em todo o Brasil. Nesta época, pescadores profis­sionais e amadores estão autorizados a pescarem só com caniços e anzóis simples, sendo apenas um por pescador. Ambos podem optar pelo uso de embarca­ções, e o limite de pesca não poderá ultrapassar cinco quilos por dia. O tamanho do peixe deverá ser respei­tado. Quem não tem habilitação para pesca só poderá fazê-la nas encostas.