Diretor de Futebol repudia decisão  da presidência e se afasta do Alviazul

Notícia

Diretor de Futebol repudia decisão da presidência e se afasta do Alviazul

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

martinho

O empresário Mar­tinho Puhl não é mais diretor de Fu­tebol do Lajeaden­se. Nesta quinta-feira, o dirigente enviou uma carta à diretoria do clube comunicando seu afastamento do cargo.

Puhl se incomodou com a ati­tude da presidência de reavaliar a dispensa de dois jogadores que haviam sido demitidos durante a semana.

Segundo o ex-diretor de Fute­bol, a decisão foi tomada em con­junto e deveria ter sido mantida. “Discordo da atitude de voltar atrás de algo que havia sido acordado entre departamento de futebol e presidência”, diz.

Os atletas envolvidos no caso são o zagueiro Cris Beato e o atacante Lucas. Eles foram dis­pensados na terça-feira, um dia após a eliminação do Alviazul da Copa RS, junto com outros quatro jogadores: goleiro Ander­son, lateral direito Alessandro, zagueiro Jonas Mallmann e atacante Bruno Japonês.

De acordo com Puhl, situações particulares fizeram a presidên­cia voltar atrás na decisão, mas ele não quis dar detalhes do caso. “Não aceito essas coisas e vou me desligar hoje mesmo (quinta-feira)”, desabafa.

Carta retrata insatisfação do ex-dirigente

Em carta direcionada ao presidente do clube, Nilson Giovanella, o empresário Mar­tinho Puhl manifesta seu des­ligamento do cargo de diretor de Futebol por “não concordar com as decisões tomadas neste momento.”

Em uma de suas frases, Puhl cita os principais motivos que o levaram a pedir a demissão: “A idade me proporcionou, além de cabelos brancos, vir­tude, caráter, discernimento e, especialmente, a honra da palavra. E é por essas razões que me fazem tomar o pedido acima.”

O que diz o presidente

O presidente do clube, Nilson Giovanella, lamenta a saída de Puhl. “Ainda não li a carta, mas se ele realmente pediu para sair, temos de aceitar. É uma decisão dele”, comenta.

Quanto ao caso de Cris Beato e Lucas, Giovanella diz que a decisão de demitir os jogadores foi tomada de forma precipitada. Segundo ele, uma reunião posterior decidiu pela permanência dos atletas. “Até tentamos ligar para o Marti­nho, mas não conseguimos contato. Parece que ele esta­va em uma reunião em Santa Cruz do Sul”, relata.