Menores são esfaqueados  por amigo dentro de casa

Notícia

Menores são esfaqueados por amigo dentro de casa

Por

Estrela Um adolescen­te de 14 anos esfaqueou três crianças – um de 13 anos e dois de cinco anos de idade – porque pretendia roubar o carro do pai de duas delas para fugir de casa. Ele foi preso logo em seguida e, às 23h40min, foi encami­nhado para a Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase). menor

Às 15h20min, as crianças foram encontradas ensan­guentadas no chão do ba­nheiro da casa. O primeiro jovem atingido foi o de 13 anos, com três ferimentos – braço, abdômen e costas. Às 22h, ele ainda estava no blo­co cirúrgico em estado grave porque uma das perfurações atingiu o pulmão. A segunda vítima foi o menino de 5 anos que teve perfurações no pulmão e nas vísceras. Ele está internado na UTI. O terceiro foi outro menino de 5 anos – o mais novo deles. No fim da noite, ele estava no quarto em estado regular.

Após a agredir as crianças, o menor tentou novamente sair com o automóvel que não ligou. Com o insucesso do plano, voltou correndo para casa, até que a Brigada Militar (BM) encontrou-o e levou-o até a delegacia. Outro menor, de 13 anos, foi indiciado por cúmplice do crime, porque auxiliou o acusado no plano. Os dois jovens serão acusados por latrocínio tentado (roubo com tentativa de homicídio). O principal foi encaminhado ainda na noite de quinta-feira para a Fase, e o cúmplice foi liberado na companhia do pai.

Ao ser interrogado, o ado­lescente confessou todo o crime e disse que ele e um amigo planejaram o rou­bo do veículo uma semana antes. A intenção dele era de imobilizar as crianças e depois roubar o automóvel. Segundo o delegado José Ro­maci Reis, que está cuidando do caso, o agressor estava na 7ª sér
ie e não gostava de estudar. “Ele afirmou ter uma relação conturbada com o irmão mais velho de 17 anos, por isso queria fugir de casa”, informa Reis.

O depoimento do cúm­plice cita que na tarde de quarta-feira o acusado estava indeciso se usava a faca ou um bastão de madeira para atingir os jovens. A arma usada faz parte de um con­junto utilizado para pesca ou caça com fio liso. Ele levava consigo duas, a maior de 20 centímetros ficou guardada na mochila.

Os pais dos acusados acompanharam os filhos à delegacia e estavam incon­formados com o ocorrido. “Afasto meu filho da internet e sempre oriento ele. Agora não sei mais o que fazer”, lamenta o pai do adolescente cúmplice do crime. A mãe do acusado, desolada, diz que o menino nunca teve proble­mas na escola com brigas, mas que em casa era revol­tado. O promotor de Justiça, Pedro Rui da Fontoura Porto, foi até a delegacia e indicou internação para o jovem.

Em três anos, é o primeiro caso, que um menor é enca­minhado à Fase pela Delega­cia de Polícia de Estrela.

“É um guri bom”

O avô do agressor foi até a delegacia acompanhar a mãe e o advogado, e questionado sobre o comportamento do neto, afirmou estar surpreso com o ocorrido. “O menino nunca foi violento e acredito não ter relacionamento com drogas. Não sei o que deu nele”, diz. O homem afirma que o menino nunca passou por necessidades.

“Não dá para acreditar nisso”

O dono do veículo que o agressor tentou roubar, e pai de duas das vítimas, estava em Santa Cruz do Sul, a trabalho, quando recebeu a notícia pela esposa. “Não consigo acreditar no que aconteceu. Esses meninos viviam brincando juntos”, desabafa. O pai está com seus dois filhos interna­dos no hospital de Estrela. “Graças a Deus nenhum morreu, mas o susto e a preocupação ainda não pas­saram”, diz. O pai da outra criança de 5 anos, que segue em observação, disse que os levaria ao parque para ensinar a andar de bicicle­ta. “De repente me ligam para contar uma tragédia dessas”, lembra.

Entenda o caso

– Uma semana antes, insatisfeito com as brigas com o irmão, o agressor e um amigo planejam a fuga de casa.

– Na quarta-feira decidia qual arma usar: faca ou bastão de madeira.

– Quinta-feira – dia do crime – o agressor foi até a casa de duas das vítimas (13 e 5 anos) para roubar o carro do pai delas. A terceira vítima, 5 anos, estava na casa a passeio.

– Ao chegar na casa, o agressor começa a esfaquear o jovem de 13 anos, depois atinge os outros dois.

– Depois, levou as vítimas ao ba­nheiro e tentou dar a partida no carro (Astra), mas não conseguiu.

– Em seguida retornou a sua casa e aguardou a chegada da BM para confessar o crime.

– Na delegacia, após ser ouvido pelo delegado de polícia e pelo promotor de Justiça, foi pedida sua internação e levado à Fase.

– O amigo cúmplice também res­ponderá o crime de latrocínio tentado (roubo com tentativa de homicídio).