Vereador deverá processar secretário

Notícia

Vereador deverá processar secretário

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Marques de Souza – O vereador Flávio Bruch (PP) explica que ofen­deu o secretário Carlos Castro por ter sido chamado de louco por ele. O motivo da discussão foi a demora da Secretaria de Obras em fazer um serviço na sua propriedade. “Desde janeiro foi prometido e ainda não fizeram. Quando fui cobrar as razões de não ser atendido, o secretário me chamou de louco e disse que já tinha feito inúmeros serviços para mim. Uma mentira que me tirou do sério”, relata. bruch

Durante esta semana em contato com seu advogado, Bruch disse que deverá pro­cessar o secretário por danos morais. “Não quero briga, apenas ter direitos iguais a todos os munícipes e receber o mesmo atendimento. E isso começa na prestação de serviços por que sou produtor e também dou retorno para o município”, defende.

Na sessão de amanhã, Bruch receberá o processo e terá dez dias para encaminhar sua defesa. Depois disso, serão mais cinco dias para que a co­missão apresente parecer pelo arquivamento ou julgamento do processo, o qual será subme­tido à votação do plenário. São necessários dois terços de votos para a decisão do processo. Se a câmara determinar a perda do mandato, a informação é transmitida ao Cartório Elei­toral e é convocado o suplente Luis Paulo Lucian (PP). Bruch foi o segundo vereador mais votado no município na eleição de 2008.

“Ele não cumpriu seu papel”

O presidente do partido, Rubens Heineck (PP), disse que ele não cumpriu o seu pa­pel de vereador que é repre­sentar e buscar soluções para os problemas da comunida­de. “Devemos ter cuidado ao nos manifestarmos para não ofender e muito menos fazer da forma que ele fez. Foi uma falta de respeito para com o secretário e o eleitor”, criti­ca. O presidente da câmara Rodrigo Wommer disse que o futuro do vereador está nas mãos da comissão. “Todos os vereadores sabem de seu compromisso quando são eleitos e quando não o cum­prem precisam arcar com as consequências”, finaliza.