Comércio aposta nos apaixonados

Notícia

Comércio aposta nos apaixonados

Por

Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

A data aquece tanto os corações quanto as vendas no comér­cio. O clichê continua válido para o Dia dos Namorados, uma celebração que mo­vimenta bilhões de reais anualmente. Entre os produtos mais procurados pelos apaixonados destacam-se flores, cestas de bombons e bebidas, calçados, acessórios, confecções, joias e celulares. Como esse ano a data ocorre no sábado, espera-se um acréscimo na procura por restauran­tes e hotéis que oferecem jantares românticos e serviços relacionados com a data.

O comércio lajeadense aposta na união do potencial do Dia dos Namorados e da Copa do Mundo, datas para impulsionar as vendas. “Todos num só coração” é o slogan da campanha de vendas desse ano, e o verde e amarelo são a temática de decoração das lojas. Segundo a Câ­mara dos Dirigentes Lojistas (CDL), a expectativa é que as vendas cresçam em torno de 7% em relação ao ano passado. “Trata-se de mais uma boa oportunidade para o comércio, visto que abrange consumidores de várias faixas etárias e renda, namorados ou casados”, afirma o presidente da CDL Lajeado, Elton Faleiro.

A diretora de marketing do Unicshopping, Marília Weschen­dfelder, acredita que a data é positiva para todos os setores da economia, visto que as flores, a gastronomia, o lazer, a perfumaria e os serviços se beneficiam do clima romântico. Nossa meta é transformar junho no mês dos namorados e da Copa do Mundo. Marília diz que serão feitos sorteios de camisetas para casais durante os jogos do Brasil e outras atrações relacionadas.

Renan Alves, recepcion
ista de um motel no bairro Americano, afir­ma que o estabelecimento registra um aumento de praticamente 90% na procura e nas ligações de inte­ressados em saber como funciona a reserva de quartos para pernoite e os preços dos serviços. “Aqui não trabalhamos com reservas, ainda mais nessa época, quando a procura é grande e não podemos perder tempo com os quartos de­socupados”, ri. Para quem busca momentos de privacidade o local oferece quartos e suítes com ba­nheiras de hidromassagem com a hora custando respectivamente R$ 23 e R$ 40, sendo que a cada 60 minutos adicionais o valor aumenta em cerca de R$ 14, além de bebidas, guloseimas e demais apetrechos cobrados separadamente. Para o pernoite que pode ser adquirido só após a meia-noite, os quartos ficam em R$ 60, enquanto as suítes custam R$ 80. Mesmo com o acréscimo na procura o motel, onde Alves trabalha não oferece nenhum pacote ou promoção re­lativo à comemoração. “Acho a data divertida, pois é um momento em que as pessoas gostam de ficar juntas e demonstrar seu amor, prova disso são os telefones, tocando aqui sem parar”, conclui.

Alcindo Pedro Schneider, proprietário de uma cantina no Unicshopping, afirma que cerca de 20 casais estão na fila de espera para o jantar de sábado, quando serão servidos salmão grelhado, casquinhas de siri, salada tropical e massas ao custo de R$ 30,50, preço normal da refeição. Ao todo 50 mesas serão oferecidas, e o local investiu em decoração relacionada à data.

Eternos namorados

O casal Carlos, 84 anos, e Leonida Grunewald, 78, de Arroio Alegre, em Forquetinha, completa neste sábado 62 anos de casados. Eles revelam a receita para manter a alegria: uma união, baseada no amor, na compreensão, no respeito e na harmonia.

As fotos de filhos, netos e bis­netos, na antiga estante da sala, mostram que Carlos e Leonida têm muito a ensinar aos casais mais novos nesse Dia dos Namorados. A relação dos dois completa Bodas de Diamante e mesmo após 62 anos (mais quatro meses de namoro), não desencantou nem um pouco. Um beijo diante da câmera e as mãos dadas durante a entrevista reforçam isso.

namorados

O segredo para durar tanto tempo sem perder o carinho eles ensinam. “Um entender o outro, ter cumplicidade, saber que não vai ser um mar de rosas o tempo todo”, responde Carlos. Leonida acrescenta o respeito, a religião e o diálogo. “É preciso entender e aceitar as diferenças de cada um, ter paciência, sem gritos, sem briga e com fé. Tudo isso constitui um verdadeiro amor”, revela. Carlos brinca: “É, aqui em casa a última palavra é sempre minha: sim, senhora”. E cai na gargalhada.

O casal conta que se con­sideram eternos namorados. “Nunca deixamos de namorar. Ficar sozinhos, conversar, trocar carinhos e relembrar os bons momentos passados jun­tos é importante para manter a relação estável”, destaca. Car­los e Leonida têm três filhos, nove netos e seis bisnetos.

Viagra mais barato

A briga pela fatia de mercado relativa à data, promete es­quentar a indústria farmacêu­tica no fim de semana. Na vés­pera do Dia dos Namorados, a Pfizer, dona da marca Viagra, reduziu pela metade o preço da unidade para tratamento da disfunção erétil. A Pfizer tam­bém anunciou o lançamento da embalagem com apenas um comprimido de 50 miligramas. Cada comprimido da pílula azul custava cerca de R$ 30, de­pendendo do estado brasileiro. Agora, ele passa a custar R$ 15. Com a redução de preço, o medicamento pode ficar mais barato que as suas versões genéricas, que serão lançadas no dia 20 e devem custar 35% menos do que o preço anterior da medicação, conforme a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos).

O amor supera limites

O casal Gilmar Luíz Horbach, 35 anos e Cássia Suzana Hart­mann, 27, conheceu-se em pontos drasticamente opostos da vida. Ele estava deprimido por ter perdido o movimento das pernas, após ser atingido por um tiro, quando apar­tava uma briga de baile, e ela aos 14 anos tornava-se adulta. Para ele, Cássia significou um novo início após um período de tristeza, bebida e impotência frente a limitações de sua nova condição. Para ela, Gilmar representou assumir as responsabi­lidades por suas vontades e encarar o preconceito e o afastamento de alguns amigos e familiares. Muitos deles descrentes de que ela seguraria por muito tempo a barra de ficar com um deficiente. O amor dos dois só cresceu nos últimos 13 anos. As limita­ções impostas desde um início difícil e os poucos recursos em uma casa de madeira no bairro Campestre, em Lajeado, não foram desafios à altura de suas forças.

A vitória do amor do casal reflete-se hoje na conclusão de uma longa reforma na moradia, agora mais con­fortável e adaptada às necessidades de Gilmar. Vendo isso é fácil notar o paralelo com sua vida e toda a adap­tação à realidade. “Ficamos juntos quando muitos diziam que não daria certo e faria tudo novamente, se fosse necessário”, afirma Cássia que disse sim a Gilmar em um casamen­to civil há um ano e meio. “Foi ela quem me deu forças para dar a volta por cima”, acrescenta ele.

A respeito das relações sexuais, o casal conta que dentro das limi­tações óbvias elas acontecem nor­malmente e que inclusive planejam um filho no ano que vem. Ele afirma que, atualmente, com a experiência da idade e a certeza do sentimento pela esposa, aproveita muito mais os momentos íntimos que nos dias de afobação da juventude.

Hoje, Cássia trabalha como do­méstica, e Gilmar está aposentado por invalidez. Para manter a cabeça ativa e o corpo em mo­vimento ele participa de sessões de fisiote­rapia e da equipe de basquete de cadeirantes da Univates. É com prazer que ele sema­nalmente se desloca, em seu carro adaptado, para os treinos na ins­tituição. Lá pode manter contato e dividir experiências com outras pessoas que passaram por situações semelhantes. Ele considera a equipe uma espécie de nova família para ambos e um apoio fundamental em seus momentos mais difíceis.

Para o Dia dos Namorados o casal terá que remarcar os planos. Inicialmente, iriam com a equipe de basquete para uma partida em Caxias do Sul e Erechim. “Acho que iremos a algum restaurante ou ficaremos em casa vendo um filme e comendo pi­pocas”, resume Cássia. Eles comen­tam sobre a falta de acessibilidade em determinados locais da cidade, fazendo com que muitos portadores de deficiências permaneçam em casa, “uma pena”, completa ela.

Eles acreditam em amor à primeira vista

O cabeleireiro Marco Aurélio, 26 anos, e o fotógrafo e produtor de eventos, Diogo Fagundes, 24, aumentaram o ritmo de trabalho no salão de beleza que administram no centro de Estrela e eco­nomizaram juntos para comemorar a data em uma viagem romântica para um destino que preferem não revelar.

Apaixonados desde o início do ano, após um encontro ao acaso na usina do gasômetro, em Porto Alegre, eles precisaram retornar às suas respectivas cidades. Marco é natural de Estrela e Diogo nasceu em Minas do Leão. Mesmo assim, a saudade trouxe-lhes de volta à capital do estado e desde então eles se tornaram insepará­veis. Com a ajuda de um cupido, na verdade uma ami­ga em comum, na noite em que se encon­traram pela segunda vez decidiram assumir o compromisso. “O Diogo largou tudo em São Leopoldo e veio comigo na mesma se­mana para Estrela”, lembra.

Sobre a reação que causam na cidade, eles afirmam que a convivência tem sido tranquila e apesar de alguns olhares des­confiados nunca houve qualquer tipo de provocação. Marco diz que o que importa é ser feliz, independentemente do que os outros pensem e levar a vida da melhor forma. Diogo enfatiza que “minha família é maravi­lhosa, temos um relacionamento franco e eles receberam o Marco como um filho”. Para Marco ainda é um pouco complicado “mas me amam, amo minha mãe e minhas irmãs, elas me compreendem isso é o que importa”, completa.

As dicas de Marco e Diogo para manter o namoro in­teressante são não deixar o relacionamento cair na rotina, ter respeito e deixar bem claro o que se sente. “Faça um elogio e demonstre sempre o quanto você ama. Esse é o melhor presente”, ensina Diogo.

Cestas são opções

Nas floriculturas de todo o país a demanda por flores e cestas recheadas de guloseimas registra o seu pico de procura anual. Giovana Rossol trabalha em uma floricultura de Lajeado e afirma que grande parte dos clientes deixa para a última hora a compra do presente. Portanto, durante o Dia dos Namo­rados o trabalho na empresa e dos entregadores será frenético. “Posso dizer que a procura pelos produtos crescem bem mais de 100%”, afir­ma. Segundo Giovana, os homens ainda compram mais flores do que as mulheres na data, embora a cada ano elas presenteiam com flores os maridos e namorados. A maior parte dos clientes prefere as rosas vermelhas que podem ser en­contradas em variedades nacionais, R$ 7 a unidade, e colombianas, de botões maiores ao custo de R$ 10 a unidade. Além da flor clássica dos apaixonados as tulipas e orquíde­as encontram grande procura na floricultura de Giovana que diz que grande parte dos clientes prefere o sistema de entrega para garantir um toque de surpresa ao momento.

Acompanhe
nossas
redes sociais