Teatro pretende mudar rotina ociosa

Notícia

Teatro pretende mudar rotina ociosa

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A rotina de 60 pessoas dos bairros Conservas e Jardim do Cedro pode tornar-se mais ativa. Desde a semana passada são oportunizadas pela Se­cretaria de Cultura e Turismo aulas de teatro para pessoas com idade acima de 10 anos, com o objetivo de prevenir que convivam ou ingressem no uso de drogas.

Os dois bairros foram escolhidos pelo Comitê Gestor do Programa de Prevenção à Violência (PPV) de Lajeado para receberem maior auxílio das secretarias municipais porque possuem altos índices de criminalidade que estão relaciona­dos à falta de oportunidades e ao tempo ocioso.

teatroA meta é preencher 30 vagas em cada grupo e realizar encontros todas as terças-feiras para desenvolver atividades teatrais e criar uma peça para apresentação à comunidade no fim do ano. Entre os participantes serão escolhidas algumas pessoas que se destacam na atuação para participarem de uma peça maior no centro da cidade no Natal.

Para atender a comunidade o muni­cípio contratou um professor e gastará em torno de R$ 6 mil para manter aulas até o fim do ano. O ensino ocorre no turno oposto às aulas e é baseado no livro de Joaquim Alves Torres, Teatro Social, com encenações de fatos pro­blemáticos do cotidiano. Conforme o professor Antônio Lopes, fazer teatro é enfrentar desafios e resolver proble­mas. A prática proporciona a visão de valorização da vida, desenvolve a auto-estima, intensifica a interativi­dade grupal, favorece a consciência e organização social. “Atores e atrizes torna-se pessoas fortes e capazes de resolverem dificuldades no dia a dia”, diz. Lopes afirma que o jovem busca na droga preencher um vazio existente em seu interior e esclarece que se envolver em uma atividade emocional o adolescente consegue desabafar e demonstrar seus desejos na peça.

Para o secretário Gerson Teixeira, que acompanhou a aula na terça-feira pela manhã na escola Dom Pedro I, no bairro Jardim do Cedro, a atividade deverá difundir o teatro e cultura pela cidade, proporcionando aos bairros mais carentes maneiras de desenvolver habilidades artísticas, criatividade e melhor comunicação. Teixeira afirma que se as vagas não forem preenchidas com pessoas destes dois bairros, demais interessados podem participar, mas devem vir até a comunidade.

Aulas transformam rotinas

O grupo do bairro Jardim do Cedro possui 19 integran­tes e todos são crianças que ficavam pela manhã em casa assistindo à televisão, mantendo rotinas ociosas. O aluno Wallace Assis de Lima Freitas, 10 anos, é um destaque no grupo. Ele fazia aulas de teatro no centro da cidade e agora faz perto de sua casa. Wallace considera que o teatro o auxilia a interpretar melhor os atos das pessoas e também o conteúdo escolar. “Não tenho mais vergonha de falar para um público grande”, diz o jovem.

A tímida Raiana Letícia Kropp, 10 anos, busca no teatro uma forma de controlar sua ansiedade e conseguir falar em público. Sorridente a menina considera o teatro como a melhor aula que assiste.

Rafaela Caroline Faleiro, 11 anos, participou de teatros na escola e na Casa de Cultura e agora busca mais uma oportunidade no teatro comunitário. A menina adora praticar encenações e diz que as aulas a tornaram mais comunicativa e aberta à novas amizades. Sua mãe Lílian Faleiro apoia a iniciativa e diz que é uma ótima maneira de ocupar as crianças no turno oposto às aulas.

Habilidade lúdica

O promotor da Infância e Juventude de Lajeado, Neidemar Fachinetto, explica que esta iniciativa é essencial para os jovens da cidade, indiferente de classe social. Para ele a habilidade de imaginar em caráter lúdico favorece a essas crian­ças momentos a mais de aprendizado. “As crianças muitas vezes brincam nas ruas na busca do diferente, mas expõem-se a riscos”, diz. Com o teatro a criança brinca de forma segura e adquire um potencial crítico.

Oportunidade à noite

Ontem à noite iniciou o trabalho de peças de teatro para a comunidade em geral. Os ensaios serão de 19h às 21h nas terças-feiras na Casa de Cultura. O grupo ensaia para o espetáculo Luzes do Deus Menino – maior teatro aberto do Vale do Taquari que ocorre no período natalino.

Foto Carine Krüger