Retiradas mais de quatro toneladas de lixo no Taquari

Notícia

Retiradas mais de quatro toneladas de lixo no Taquari

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Aquarta edição da ação Viva o Taquari Vivo que ocorreu no sábado pode ser considerada uma verdadeira aula de preservação ambiental. O evento promo­veu o recolhimento de lixo encontrado nas margens e no leito do Rio Taquari. No total 35 embarcações foram utiliza­das para recolher o lixo numa faixa de 4,5 quilômetros. Do lado de Estrela foi da foz do Arroio Boa Vista até o Arroio Estrela, e do lado de Lajeado, do Porto dos Bruda até a divisa com Cruzeiro do Sul. Segundo o vice-presidente de respon­sabilidade social da Acil, Gil­berto Soares, foram recolhidos em Lajeado 2.767 quilos de resíduos sólidos, e em Estrela 1.324 quilos. A diversidade de material recolhido chamou a atenção. Foram 15 sofás, duas impressoras, televisores, três cadáveres de gatos, dois de cachorros, pneus, capacetes, madeiras, vidros, pares de sapatos, plásticos, roupas e materiais de construção. Para Soares, o grande êxito dessa edição foi a participação ainda maior de voluntários, bem como de crianças e de outros municípios.

taquariSegundo Soares, alguns itens recolhidos no rio estão expostos em frente ao prédio da Prefeitura de Lajeado para que a comunidade pos­sa conferir o que foi coletado e ter a consciência de que o rio não merece ser depósito de lixo. Soares explica que a mostra Espelhos – Como o Rio Taquari nos Vê que foi vista por mais de 70 mil pessoas, no Unicshopping, Univates, Casa de Cultura e nas escolas das redes muni­cipais de Lajeado e Estrela, será atualizada com os dados das três edições anteriores e voltará às escolas. Além dos colégios, a Parceiros Volun­tários (UPV) Lajeado recebe solicitações de instituições e empresas que queiram expor os seis painéis com fotografias das ações em seus ambientes. Outra ideia para este ano é o lançamento de um projeto experimental chamado Lajeado de frente para o Rio – Nesta Sema­na Visite o Rio Taquari. De acordo com Soares, o objetivo é chamar a aten­ção da comunidade para as riquezas e oportunidades que o manancial apresenta. “Queremos provocar as pessoas a visitarem o rio”, explica Soares.

Recuperação dos rios Forqueta e Fão

Este ano o trabalho volun­tário não ficará apenas concen­trado no Rio Taquari. Devido às enxurradas de janeiro, os rios Fão e Forqueta terão atenção especial. Uma das atividades estudadas para este ano é a recuperação de suas margens. Para isso, será feita uma mobi­lização junto às empresas que possuem mudas de árvores para serem plantadas, para que essas doem o material aos municípios atingidos pelas enxurradas do início do ano. Segundo o comandante do Patrulhamento Ambiental, José Anestor de Moura, o interes­sante seria realizar um trabalho semelhante à recuperação do Corredor Ecológico que está sendo feita em Estrela, Lajeado e Arroio do Meio. “Para isso, seria mais correto o plantio ser realizado no mês de setembro e deve-se pesquisar bem qual o tipo de muda adequado para cada terreno”, explica. taquari