Sucessão de assaltos deixa zona rural em alerta

Notícia

Sucessão de assaltos deixa zona rural em alerta

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

SampaioMoradores da zona rural de Cruzei­ro do Sul, Santa Clara do Sul, Mato Leitão e Venâncio Aires convivem com a insegurança. Série de assaltos e roubos a mercados e casas colocou a comunidade em alerta. “A gente não deixa mais o carro fora da nossa vista. As portas ficam trancadas de dia e à noite e estamos pensando em colocar grades.” O desabafo feito por uma moradora da zona rural de Santa Clara do Sul mostra bem a situação pela qual passam as localidades que, desde o início do ano, têm sofrido com ataques de bandidos.

Pelos menos sete assaltos foram registrados nos últimos dois meses, mas há quem diga que ocorreram outros roubos que não foram registrados. “Vivemos com medo. Aqui ninguém dorme mais quando escuta o barulho de uma moto à noite. Estamos apavorados”, relata um comerciante que teve seu estabelecimento assaltado, porém pede para não ser iden­tificado com medo de virar alvo novamente.

Os dois últimos ataques aconteceram esta semana. Na quarta-feira, dia 3, o mini­mercado de Nelsi Scheibler, localizado em Linha Santana, em Venâncio Aires, foi alvo dos bandidos. Uma dupla em uma moto invadiu o estabele­cimento, trancou a proprietária e a empregada no depósito e revirou o local em busca de dinheiro. A ação durou sete minutos e foi registrada pelo circuito interno de TV. “Nem as grades e o sistema de câmeras de vigilância foram suficien­tes para impedir a ação dos marginais. Estamos reféns da criminalidade que está toman­do conta do interior. Sem ter policiamento na comunidade todos os dias, somos alvos fá­ceis”, observa. Segundo Nelsi, todos os estabelecimentos do interior da comunidade foram alvo dos criminosos pelo me­nos uma vez.

População está insegura

A comunidade de Vila Teresinha, sede do Distrito do Vale do Sampaio, convive com o aumento dos roubos e furtos. No sábado, três indivíduos assaltaram Matias Ricardo Schneider, 28 anos. “Me tiraram a moto, a carteira com documentos e R$ 54. Onde isso vai parar. Temos medo todos os dias. É só escurecer. Trancamos as portas de dia e à noite. Se o policiamento não aumentar, eles continuarão agindo e fazendo mais víti­mas”, afirma. Nos últimos meses ocorreram ataques ao ex-bar Jacobsen, arrombamentos no parque de máquinas, posto de saúde e na Associação Esportiva e Recreativa Recanto da Alegria, todos localizados em Vila Terezinha.

Terezinha Angélica Stoll critica a demora no atendimento nos casos de urgência. “A gente liga e dizem que estão de folga, que não sabem como chegar até o local. Por isso queremos a instalação de um posto policial aqui”, aponta.

Na tarde de quinta-feira, dia 4, um assalto foi registrado. Uma dupla invadiu um mercado no interior de Cruzeiro do Sul. Após, fugiram para matagais ao serem surpreendidos pelos brigadianos. Houve troca de tiros, mas ninguém foi preso, apenas apreendida a moto Twitter preta utilizada na ação.

Uma das saídas para várias famílias tem sido manter-se informado. “Todos os vizinhos se avisam quando há algo estranho e passa­mos a ter o telefone da Brigada Militar sempre à mão”, conta o agricultor Darci Schmitt.

Policiamento reforçado

O comandante do Pelotão da BM de Cruzeiro do Sul, tenente Dilmar Pires, garante que o patrulhamento foi intensificado, principalmente depois das últimas ocorrências. “Estamos trabalhando para tentar identificar e prender os criminosos, mas infelizmente a área é muito grande e não podemos estar em todos os locais ao mesmo tempo”, explica. Pires orienta os moradores a se manter em contato com a Brigada Militar. “As pessoas devem continuar avisando sempre que perceberem algo suspeito nas imediações”, solicita.

Pires suspeita que os integrantes da quadrilha sejam de Venâncio Aires e que estejam assaltando para sustentar o vicio das drogas. Na última semana foram registrados quatro assaltos.