Mais motos nas ruas  da região

Notícia

Mais motos nas ruas da região

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

cresce numero de motosA frota de motocicletas cresceu no estado, prin­cipalmente na região dos vales. O aumento desses veículos e condutores chegou a 20%. O crescimento vem sendo observado desde 2004 e registra até agora cer­ca de 6% ao ano. Mas anualmente as porcentagens de acréscimo são variáveis. Em 2009, foram 19,7% em relação a 2008. Neste ano são mais 870 mil veículos em circula­ção no estado.

Em Arroio do Meio, cidade com maior número de motociclistas da região, são 19 motos para cada cem habitantes. Santa Clara do Sul, Teutônia e Mato Leitão são 18. A cidade no estado com maior concentração é Cerro Grande do Sul, com 23 motos para cada cem habitantes. As estatísticas registra­ram que 27,4% desse total exerce alguma atividade remunerada com o veículo (365 mil).

No bairro Bela Vista, em Arroio do Meio, o proprietário de uma revenda e oficina de motos, Lair José Fritzen, trabalha no ramo há 22 anos e revela que a redução do IPI para a compra de carros novos fizeram baixar as vendas das motos usadas. “Caiu bastante o serviço na oficina nessa época”, informa. Con­tudo, o fim do período de redução do imposto somado à chegada do verão mudou o cenário. “Eles se conscientizaram que comprar uma moto nova em muitas prestações não é o caminho. É mais vantagem adquirir uma usada que faz o mes­mo serviço”, afirma.

Lair tem cerca de dois mil clientes cadastrados, sem contar os esporádicos e acredita ser o fator local o que incentiva o maior número de motos. “A cidade tem cinco revendas, três fortes, mas a fidelidade mudou bastante. Hoje, as mulheres são as clientes mais fiéis.” O proprietário ressalta que a visão de oficina mudou e a contratação de duas funcionárias facilitou o acesso da clientela feminina, ampliando as vendas. “Abrimos uma filial em Capitão em outubro do ano passado”, informa. No interior, a vantagem é ainda maior, pois as estradas de chão, muitas vezes em péssimas condições, dificultam o acesso de carros, o que não impede a circu­lação de motos. “Na zona urbana, é difícil encontrar um local para estacionar e a moto é possível colocar em qualquer cantinho que tenha sombra”, finaliza.

Em Santa Clara do Sul, o número de mulheres motoristas ajuda a aumentar a circulação de moto­cicletas. Fabiola Herrmann, 25 anos, é apaixonada pela moto que possui e dirige desde os 18 anos justamente pela “liberdade que proporciona”. Em Mato Leitão, Marcelo Auri Fischer, 27 anos, também se diz um apaixonado pelo veículo. Segundo ele, são raras as famílias que não possuem uma moto no município. “Além de ser muito bom dirigir, ela é econômica”, cita.