Merlin Gastropub recomeça trajetória no bairro São Bento

Opinião

Fábio Alex Kuhn

Fábio Alex Kuhn

Jornalista

Colunista sobre turismo.

Merlin Gastropub recomeça trajetória no bairro São Bento

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Destino gastronômico popular de Lajeado, o Merlin Gastropub muda de endereço após a sequência de enchentes históricas. Na sexta passada, dia 7, o restaurante antes localizado na Rua Oswaldo Aranha, às margens do rio Taquari, reabriu as portas no bairro São Bento, n° 8.902.

Cerca de 150 pessoas lotaram o restaurante na retomada das atividades. “Foi um sucesso. Estamos na expectativa de ser um recomeço. Com trabalho e dedicação, vamos nos reerguer”, afirma a proprietária, Gisele Waitzman.

O empreendimento atenderá de terça-feira a domingo, a partir das 18h30min. O cardápio farto permanece o mesmo. Destaque para as torres de batatas, as porções e o peixe que será servido mesmo distante da orla lajeadense.

Outro diferencial que será mantido são as noites com música ao vivo nos fins de semana. Para o dia 12 e 23 de junho, o restaurante prevê duas programações especiais alusivas ao Dia dos Namorados e às festas juninas.

Gisele, familiares e equipe no novo endereço. Restaurante emprega mais de 10 pessoas

O Merlin inaugurou em 2020 no antigo espaço ocupado pelo S’Kinão Restaurante – estabelecimento que Gisele costumava frequentar na juventude. Resgatar essas memórias afetivas foi um dos fatores que fez a empreendedora e família optar pelo prédio junto ao rio.

O movimento no ponto gastronômico era intenso, impulsionado pela criação do Parque Ney Santos Arruda ao lado. Entretanto a sequência de enchentes inviabilizou a permanência no mesmo local.

Em setembro, todos os móveis foram perdidos quando colocados no terraço – área em que a cheia alcançou pela primeira vez. Com dificuldades para recomeçar, a família se inscreveu e conseguiu participar do quadro “The Wall” do Domingão com Huck, da rede Globo.

A família saiu do programa com quase R$ 40 mil para reconstruir o estabelecimento. Três meses depois, em maio, a catástrofe climática destruiu inclusive o prédio. O sonho de Gisele é consolidar o ponto no bairro São Bento e poder retornar à orla com estrutura adaptada para atender os clientes no veraneio.

Camping da Pedra apela por ajuda

Das 21 casas instaladas no Camping da Pedra, em Marques de Souza, apenas nove sobraram após a catástrofe histórica de maio. O empreendimento instalado às margens do rio Forqueta e da BR 386, em Picada May, ainda perdeu o bar com 250 metros quadrados, a praça com brinquedos, campo de futebol e vôlei, cerca de 40 churrasqueiras e um museu insubstituível com cerca de 600 peças antigas.

O espaço foi criado pelo casal Astor e Dolores Fucks faz cerca de 30 anos. É considerado um dos balneários mais famosos do município que se orgulha de ser a Capital dos Campings. Para a reconstrução, os proprietários pedem ajuda. Nas redes sociais, foi divulgada a chave pix para doações: 51 99687-3924.

Com a ajuda de admiradores, a expectativa é reformar as nove casas que resistiram à enchente, reconstruir o bar até o verão, recuperar o campo, fazer novas churrasqueiras e reflorestar o espaço.

Repost do leitor

@natrilhadafoto_

O Jean Souza registrou como está a Cascata do Gamelão pós-enchente. O ponto turístico natural é um dos principais destinos de Boqueirão do Leão e foi pouco impactado pela catástrofe ambiental.

Use a #365_vezes_no_vale e compartilhe as belezas da região conosco!

Acompanhe
nossas
redes sociais