Humus Brasil inicia programa de Agente Capaz em julho

CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO

Humus Brasil inicia programa de Agente Capaz em julho

Treinamento terá duração de um dia, sem custo para os interessados. Instrutores da ONG vão capacitar a população para saber o que fazer diante de um cenário de desastre

Por

Humus Brasil inicia programa de Agente Capaz em julho
Léo Farah, cofundador da Humus Brasil (Foto: Reprodução).
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A partir de julho, a Humus Brasil inicia o programa de “Agente Capaz”, onde os instrutores da ONG vão capacitar a população para saber o que fazer diante de um cenário de desastre ambiental como o vivido pela região em setembro do ano passado e maio deste ano, com maiores proporções.

O curso será aberto para a população em geral, com duração de um dia e sem custo para os participantes. A programação completa dos treinamentos será divulgada posteriormente na rede social: @humus_br. Conforme o cofundador da Humus Brasil, Léo Farah, a primeira turma está prevista para a capital Porto Alegre e, posteriormente, em cidades do Vale do Taquari como Lajeado e Muçum estão no cronograma.

Os participantes terão oportunidades de aprender sobre os primeiros socorros básicos, kits necessários, o que fazer em situações de desastre, por exemplo. “Os trabalhos devem se estender até o fim do ano e a nossa meta é capacitar mais de mil gaúchos a saberem o que fazer diante de um cenário como esse”. Farah esclarece que há dados da ONU que compravam que 70% dos resgates em um desastre são feitos pela população local.

Sobre a Humus Brasil

É uma organização sem fins lucrativos formada por bombeiros militares, da reserva e militares com especialização em desastres. Atua desde 2021 com foco específico para atuar em prevenção e resposta à desastres. “Esses eventos naturais extremos vão crescer cada vez mais e a gente entendeu a necessidade de aproveitar essa mão de obra qualificada de bombeiros com alta especialidade, que foram para a reserva e continuam podendo ajudar as regiões e os locais afetados por eventos, seja por grande chuva, deslizamentos, terremotos, com expertise ampla e atuação no Brasil e exterior”. Destaques para os trabalhos já realizados em Brumadinho, Mariana, além de Haiti e Turquia.

Atuação no Vale do Taquari

Farah destaca que a Humus desenvolveu um trabalho intenso no episódio da enchente de setembro nas cidades de Cruzeiro do Sul, Estrela e Encantado. “Neste ano, a pedido da comandante Caroline, de Colinas, a solicitação das equipes novamente para apoiar no resgate e gestão do desastre.”

Atualmente, são dez integrantes da ONG que ainda estão em Lajeado e Cruzeiro do Sul. Desde o início do mês, atuam em três fases. A primeira, em ações de resposta, de socorro ao público, pessoas muitas vezes em locais de difícil acesso como telhados de casas. Na segunda fase, ações de logística humanitárias, de levar alimentos, gestão em abrigos, logística de recebimento e doação.

Já na terceira fase, a reconstrução não deixando de atender as outras duas fases. “Na reconstrução e prevenção, utilizamos uma metodologia japonesa em que entendem que acima de tudo é primordial reconstruir melhor, ou seja, a população precisa entender que a hora de reconstruir não é hora de reconstruir em áreas de risco, mas reconstruir melhor e capacitar a população pra isso.”

Recursos

Para realizar as atividades voluntárias, a ONG conta com apoio de empresas através de doações. “São pessoas do Brasil inteiro ajudando a entidade para fomentar a economia local. A Humus trabalha com metodologia própria onde o impacto é zero para a cidade. Levamos comida, água, barracas, dentre outras necessidades. Todos os recursos que são doados são empregados para a população através de itens de higiene, alimentação, compra de equipamentos necessários para um abrigo, como micro-ondas, máquinas de lavar e secar.”

Acompanhe a entrevista na íntegra

Acompanhe
nossas
redes sociais