O dilema da falta de mão de obra

DIOGO FEDRIZZI

O dilema da falta de mão de obra

Pode ser na oficina mecânica, na padaria, no posto de gasolina, no restaurante, na fábrica de móveis ou na grande indústria. O assunto falta de mão de obra é pauta diária

Por

O dilema da falta de mão de obra
Foto: Konce/divulgação
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Pode ser na oficina mecânica, na padaria, no posto de gasolina, no restaurante, na fábrica de móveis ou na grande indústria. O assunto falta de mão de obra é pauta diária, e as versões sobre as causas são diversas. O próprio presidente da Dália, Gilberto Piccinini, importante liderança regional, trouxe sua preocupação em entrevista à Rádio A Hora 102,9. E um fato novo: segundo ele, trabalhadores que vieram de fora e que optaram por morar em bairros atingidos pelas enchentes se assustaram e foram embora, motivados também pelo encarecimento dos aluguéis.

A curto prazo, governo, entidades representativas e os próprios empresários buscam alternativas para atrair trabalhadores. Oportunidades existem. Até ontem, o SINE de Encantado disponibilizava 150 vagas. Até cursos para ensinar as pessoas a preencherem o currículo e a se portarem na entrevista de emprego são organizados. No dia 24 deste mês, Encantado realiza um Feirão de Oportunidades em frente à Casa de Cultura e, em breve, iniciarão os cursos profissionalizantes gratuitos, oferecidos pelo município em parceria com o SENAI e SENAC.

Outro caminho, a longo prazo, vai ao encontro da sala de aula. O Pacto Municipal de Educação estabeleceu como meta principal transformar a Cidade do Cristo Protetor em um polo na formação de talentos em 10 anos. E o projeto do Centro de Inovação e Tecnologia é a grande aposta.

Para o leitor ter uma ideia, quando o Boulevard Encantado (foto) estiver a pleno funcionamento, por exemplo, serão abertas cerca de 300 vagas de trabalho em Encantado. Desafiador, não é mesmo?

CPI contra o prefeito arquivada em Roca Sales

Sensata a posição do vereador Gilvani Bronca (PTB) sobre a denúncia encaminhada à Câmara de Roca Sales com o pedido de cassação do prefeito Amilton Fontana (MDB). O processo foi arquivado, após o empate em 4 a 4 na votação do plenário. Bronca se absteve. No entendimento dele, a instalação de uma CPI nesse momento, a oito meses da eleição, geraria um clima de “terror”, além de criar despesas jurídicas com a contratação de advogados. O parlamentar argumenta ainda que a população terá o poder da urna para decidir se o atual grupo político liderado por Fontana deverá continuar no comando da Cidade da Amizade.

E é por aí mesmo! São raros os exemplos de CPIs que atingem seu real objetivo de investigar as condutas dos agentes políticos. Na maioria das vezes, se transformam em pirotecnia e palco para discursos midiáticos. As autoridades roca-salenses devem concentrar suas energias em temas que realmente impactam a vida da sua gente, sobretudo, nesse momento de reconstrução. E a elaboração de um plano diretor, como foi abordado pelo próprio Gilvani Bronca, merece um olhar mais atento.

Gonzattinho na Ambravat

BASTIDORES

– Nome forte do PP para buscar o inédito quinto mandato como prefeito de Encantado, Paulo Costi aproveitou para atualizar seu Instagram nesta semana. O vídeo de quase três minutos reproduz uma parte do depoimento de Costi sobre sua extensa trajetória política para o Projeto Memória Viva da Câmara de Vereadores. E aí fica a dúvida: o Paulo tá On?

– O prefeito Jonas Calvi já avisou empresários encantadenses que a Rua Coronel Sobral, no problemático e por vezes esburacado trecho entre a Duque de Caxias e a Rota do Desenvolvimento, ganhará nova pavimentação asfáltica. A via é passagem diária de caminhões que acessam a área central da cidade pela Rua Padre Anchieta, no pórtico da rodovia 129. A intransitável quadra da Guerino Lucca, nas proximidades da Dália, também será asfaltada.

– A vereadora Andresa de Souza/Yê (MDB) segue firme com a ideia de ser a primeira prefeita eleita de Encantado. Nos últimos dias, a pré-candidata organizou reuniões com emedebistas e líderes de diferentes segmentos, entre eles, movimentos sociais.

– O nome de Joanete Cardoso tem sido citado com frequência nas rodas políticas como provável candidata do PSDB a uma vaga no Legislativo de Encantado. Jô, como é conhecida, atua como coordenadora de obras no atual governo de Jonas Calvi. Quando o falecido Adroaldo Conzatti retornou à prefeitura, em 2017, ela foi seu braço direito, tanto que era chamada de ‘prefeitinha’, por seu perfil de liderança e trabalho incansável, parecido com o do ex-prefeito. Nesse período, Jô também teve visibilidade e muita proximidade com os moradores ao coordenar o projeto de calçamento de boa parte das ruas da cidade. E isso pode contar pontos a favor numa campanha eleitoral. Mas fica a dúvida: será que ela aceita concorrer?

– O PDT de Encantado parece ter amenizado os conflitos internos desde que Fabiano Lemos aceitou o convite para assumir a recém-criada secretaria de Habitação e Assistência Social. Nos últimos dias, o presidente do partido, Everaldo Delazeri, e o presidente da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS) e suplente de deputado estadual, José Odair Scorsatto, prestigiaram o colega pedetista com uma visita no gabinete de Lemos. Seria um sinal de que o PDT permanecerá com Jonas Calvi na eleição de outubro?

Acompanhe
nossas
redes sociais