Geração Z e inteligência artificial definem o futuro do varejo

ECONOMIA E NEGÓCIOS

Geração Z e inteligência artificial definem o futuro do varejo

Em evento com empresários do Vale do Taquari, entidade regional desvendou as tendências apresentadas na maior feira do setor no mundo

Por

Geração Z e inteligência artificial definem o futuro do varejo
Presidente do Sindilojas-VT, Giraldo Sandri foi um dos debatedores do painel que abordou a força das marcas (Foto: Thiago Maurique)
Vale do Taquari

Inteligência artificial no varejo, geração Z e o poder da marca no negócio foram alguns dos temas abordados em evento da Fecomércio-RS, em Porto Alegre. Ontem, a entidade reuniu varejistas do estado para debater as principais tendências percebidas no NRF Retail’s Big Show 2024, a maior feira do setor no mundo, sediada em Nova Iorque, nos Estados Unidos, entre 14 a 16 de janeiro.

O evento teve participação de comitiva com 15 empresários da região, organizada pelo Sindilojas Vale do Taquari. Presidente da entidade regional, Giraldo Sandri foi um dos debatedores do evento, que contemplou dois painéis e uma palestra sobre as principais tendências apresentadas na feira.

Presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn abriu o encontro destacando a iniciativa da entidade em integrar o evento internacional. “Corrobora com o protagonismo da Fecomércio em entender a importância da inovação e buscar conexão com o que é tendência e sucesso entre empresários, estrategistas e pensadores americanos.”

O conteúdo técnico teve início com palestra do coordenador estadual de Varejo do Sebrae-RS, Fabiano Zortéa – que ciceroneou a comitiva gaúcha em Nova York. Em seguida, o primeiro painel abordou a “Inteligência artificial aplicada ao varejo”, com participação da diretora administrativa da Fecomércio-RS, Maria Tereza Menegotto, da diretora do Senac Santa Maria, Paula Correa, e do diretor do Sesc Rio Grande e Chuí, André Miki.

O debate sobre o “O poder da marca alinhado ao seu conceito” finalizou o evento. O painel teve participação da vice-presidente da Fecomércio-RS e diretora do Sindilojas Caxias do Sul, Idalice Manchini, do também vice-presidente da Fecomércio-RS e presidente do Sindilojas Vale do Taquari, Giraldo Sandri, e da diretora do Senac Passo Fundo, Lisiane Martins.

Do global para o local

Fabiano Zortéa abordou o tema “Tendências Globais para o varejo local”, na qual elencou as cinco principais tendências para o setor em 2024. Ele destacou as formas como a geração Z se posiciona, tanto o ambiente de trabalho quanto como cliente. “Em 2026, eles representarão mais de 50% do potencial de consumo e da mão de obra do mundo.”

Conforme Zortéa, a NRF não tem o propósito de apresentar inovações de produtos, mas modelos de negócios e estratégias para fazer com que as lojas sejam atrativas e ofereçam bom atendimento aos clientes. “O setor é muito menos sobre o produto e muito mais sobre as formas de apresentá-lo.”

Inteligência Artificial

O debate sobre a Inteligência Artificial (IA) aplicada ao varejo pontuou formas simples e práticas de começar a utilizar a tecnologia no cotidiano do varejo. Proprietária de uma lavanderia industrial, Maria Tereza Menegotto afirmou ter voltado de Nova York decidida a utilizar as ferramentas para melhorar a produtividade em processos repetitivos.

“Com uso do Chat GPT consegui automatizar a elaboração dos contratos com os clientes, o que otimizou o tempo no atendimento’, destaca. Segundo ela, antes era necessário consultar advogado ou procurar documentos semelhantes nos arquivos físicos.

A partir do sucesso da primeira experiência com a IA, Maria Tereza agora busca novas soluções capazes de otimizar o tempo disponível. “Estou fazendo a implementação de uma ferramenta do Google que automatiza a resposta dos e-mails.”

ENTREVISTA


Fabiano Zortéa
• Coordenador estadual de varejo do Sebrae-RS

“A loja física não pode ser confundida com uma prateleira”

– Quais são os grandes diferenciais da NRF deste ano?
Fabiano Zortéa – Essa edição foi muito pé no chão, no sentido de que o varejo tem coisas que não dá mais para adiar. Uma delas é dar motivos para o cliente vir para a loja física, a loja física não pode ser confundida com uma prateleira, com um produto, porque isso tem no digital, não pode lembrar um site, tem que entregar mais. A essência de tudo que o varejo precisa fazer em 2024, a partir do que eu vi, passa por isso. Além, é claro, do tema do evento, que é a inteligência artificial. O uso da inteligência artificial pode te dar ganhos de produtividade no dia. E pode ir para um nível mais sofisticado, que é automatização de chat box, com uma conversa com inteligência artificial.

– É possível conseguir escala e ao mesmo tempo personalização?
Zortéa – Personalizar não é só sobre produto. A gente fez visitas técnicas em loja de carro que personaliza o carro, que estiliza a partir de preferência do cliente. Mas não é só sobre o produto. Mais importante é pensar na possibilidade de personalizar algo no serviço, no atendimento. Dessa forma, barata e rápida, dá para fazer bons testes. Tem que, por exemplo, em uma conversa de Whatsapp, deixar claro o que tu ta falando e fazendo, e não somente uma oferta que tu faz para qualquer um. Mostrar interesse no cliente. E, agora com o digital, tu tem escala nisso, consegue atender muita gente, ter um histórico organizado de dado e chegar em um lugar semelhante, de dar a sensação de que é atendido por aquela marca e dar a sensação de que ela retribui.

– Como encontrar conexões com a geração Z?
Zortéa – É importante abraçar se tu quiser ter gente para trabalhar contigo e comprar de ti. Ali em 2026, eles vão ser mais de 50% do potencial de consumo do mundo. Essa aproximação faz com diálogo, abrindo espaços de conversa que, na minha opinião, não é sobre quem está certo ou quem está errado, mas sobre o que vamos construir juntos e o que isso vai se desdobrar dentro dos nossos negócios.

Acompanhe
nossas
redes sociais