“A intenção é reconstruir e retomar a vida”

ABRE ASPAS

“A intenção é reconstruir e retomar a vida”

Assim como tantos outros moradores do bairro Navegantes em Arroio do Meio, José Antônio Farias, o popular Mato Grosso, 57, enfrenta uma batalha árdua pela reconstrução. Em meio às perdas, a esperança se renova com a solidariedade da comunidade. Com problemas no ombro afirma ter poucas forças para tentar reconstruir tudo e retomar a normalidade

Por

“A intenção é reconstruir e retomar a vida”
Foto: GABRIEL SANTOS
Arroio do Meio
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Hoje qual o cenário?

Eu moro aqui há 17 anos, no mesmo local. E estas duas enchentes atingiram a comunidade em cheio. Agora esperamos a ajuda de todos de novo, a prefeitura ajudou, conseguimos reconstruir tudo novamente. Mas agora em novembro perdemos tudo de novo.

Em setembro qual era o cenário?

Logo depois, quando perdemos nossa casa, alugamos outro imóvel. E com a ajuda conseguimos reconstruir tudo. Já ia montar minha casa de novo, com portas e paredes. O problema é que agora voltamos à estaca zero, não temos mais recursos, o número de voluntários reduziu e precisamos de muita ajuda.

Como foi enfrentar duas enchentes em um curto período?

É devastador. Não consegui nem comemorar o meu aniversário. Completei 57 anos no dia 18 de novembro. Data em que deveria comemorar, eu estava levantando minhas coisas de casa. Foi a segunda maior cheia de Arroio do Meio e levou tudo o que tínhamos reconstruído desde setembro. Uma experiência que não desejo a ninguém.

O que motiva você ainda a permanecer aqui?

É o lugar que construímos, com muito esforço e aqui construímos histórias. Tínhamos alugado outra casa para proteger a nossa residência, mas a intenção de mudar nos fez perder novamente tudo o que construímos. Estávamos prestes a montar a casa, com portas e paredes, quando fomos atingidos novamente.

Quais foram as maiores dificuldades enfrentadas nesse processo?

As dificuldades são inúmeras. Estabelecer uma normalidade é desafiador. Serviços básicos ainda não foram retomados, enfrentamos a falta de energia elétrica devido à queda de fios e postes. Água, telefonia e até mesmo o gás de cozinha são itens difíceis de obter. Essa enchente foi ainda pior que a de setembro.

Como a comunidade tem se mobilizado para ajudar?

Contamos com a solidariedade de voluntários que têm ajudado na limpeza das casas e na avaliação do que podemos reconstruir. A colaboração de todos é fundamental neste momento difícil.

Quais são os planos futuros diante dessa situação?

O plano é recomeçar. Mesmo perdendo tudo novamente, a intenção é reconstruir e retomar a vida. Contamos com a solidariedade de todos para superar esse momento difícil e erguer, mais uma vez, nossos lares e esperanças.

Acompanhe
nossas
redes sociais