Geólogo defende barragens e dragagem do Taquari para reduzir impacto de cheias

ENTREVISTA | FRENTE E VERSO

Geólogo defende barragens e dragagem do Taquari para reduzir impacto de cheias

Segundo Rogério Ortis Porto, ações podem diminuir elevação e número de enchentes

Por

Atualizado quinta-feira,
23 de Novembro de 2023 às 17:07

Geólogo defende barragens e dragagem do Taquari para reduzir impacto de cheias
Rio Taquari na manhã de domingo, 19 de novembro. (Foto: Felipe Neitzke)

Em entrevista ao programa Frente e Verso desta quinta-feira, 23, o geólogo e economista, Rogério Ortis Porto fala sobre a necessidade da instalação de barragens e dragagens para amenizar os prejuízos com as cheias no Rio Taquari

O especialista esclarece que, “propondo a construção de barragens de 500 hectares de áreas inundadas, vai ter dificuldade em encontrar 80 pontos com barragens desse porte porque toda a área é muito encaixada, mas pode construir 800 barragens em 50 hectares de água inundada que o efeito é o mesmo”, diz Porto.

Segundo Porto, o manejos do solo ficam prejudicados na Bacia Taquari-Antas porque ela possui 83% da superfície coberta de florestas ou de campos inativos.

“Se tivesse ocorrido uma cheia dessa na época em que a agricultura familiar passava por crise, as cheias teriam sido muito piores, pois o solo não tinha cobertura. Agora, o solo tem cobertura, 52% da bacia com florestas, então há uma inflitração de água e o escorrimento superficial é menor. Se tivesse o solo descoberto, o escorrimento superficial seria muito maior, por isso que se fala em manejo de solo”.

O geólogo explica que se fizer uma dragagem de 10 metros ao longo de toda a calha reduziria a chance de cheia em apenas 7% e explica. “Se fizer isso, acaba provocando erosão lateral. Se dragar, evita que a lâmina da água suba tanto quanto tem subido, então, vai reduzir a lâmina da água porque vai ter na calha do rio uma capacidade de retensão maior do que tem hoje. Outra coisa, hoje há uma quantidade enorme de ilhas, e acumulação de material detrito.”

Já no caso de deslizamentos, Porto descreve que os efeitos são provocados pela saturação de água no solo. “Podemos dizer que o nosso solo tem água demais”, conclui.

Ouça a entrevista na íntegra

Acompanhe
nossas
redes sociais