A cultura, a influência e  o rotativo

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

A cultura, a influência e o rotativo

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Agentes políticos e líderes locais precisam fiscalizar o bom andamento dos serviços. Mais do que isso. Precisam utilizar a influência de seus cargos e/ou posições de destaque dentro de determinada comunidade para disseminar o bom uso desses serviços. Eles não deveriam, por exemplo, insuflar a comunidade de forma precipitada ou utilizar experiências próprias para julgar todo um complexo contexto. Dito isso, é preciso uma reflexão sobre a forma como alguns representantes da comunidade (e da imprensa regional, claro) se comportam perante o estacionamento rotativo. E a pergunta é: será que incentivamos de forma correta o uso dessa importante ferramenta? Ou incentivamos de forma indireta – ou inconsciente – a inadimplência? Em tempo, a criação de uma comissão especial para tratar do tema na câmara de Lajeado, se bem conduzida pelos nobres parlamentares, pode ser um divisor de águas nesse importante movimento.

Jacaré, Lontra, Paca e Piranha

A história é curiosa e possivelmente será transformada em uma lenda urbana do nosso Rio Taquari. Eu falo do suposto ataque de um jacaré a um morador ribeirinho de Muçum, um fato amplamente divulgado por veículos de comunicação e redes sociais diversas. Não há imagens. E a vítima tem dificuldades para esclarecer, afinal, qual animal lhe atacou durante a busca por madeiras na beira do rio. Diante da possibilidade real de jamais elucidarmos tal fato, os “livres achismos” devem prevalecer sobre as evidências. Sobre isso, já são diversas as “apostas”. Muitos acreditam de fato na presença de jacarés na região. Alguns apontam para um possível “ataque” de uma lontra. Outros apontam para a paca. E há quem acredite em piranhas. Mas o que importa mesmo é a saúde do homem. E ele passa bem.

As promessas e o timming

Não se discute a importância do aporte de recursos federais para hospitais do Vale do Taquari. O anúncio dos R$ 32,6 milhões é de suma importância para qualificar as maiores casas de saúde da região, e também para requalificar os hospitais menores. É sempre um dinheiro bem-vindo e é preciso elogiar os responsáveis por tal articulação. Mas também é preciso analisar o timming desse surpreendente anúncio, ajustado às pressas com os hospitais. Bueno, se a visita da comitiva de ministros tinha como pauta a tragédia de setembro, por quais razões os agentes do presidente Lula anunciaram diversas verbas sem relação direta com a histórica enchente? Para mim, a resposta não está em 2023.

Errata

Na edição de ontem, escrevi sobre o lançamento oficial da 4ª Festa das Orquídeas de Mato Leitão. E errei a data. O evento não será no dia 11 de novembro, e, sim, no dia 10 de novembro. Mas o horário e o local eu acertei. Será na Seubv, a partir das 19h30min.

Assembleia ou Congresso?

Principal agente do Vale do Taquari no governo federal, Maneco Hassen (PT) trabalha de olho no pleito de 2026. Ex-prefeito de Taquari, ex-presidente da Famurs e atual Secretário Institucional da Secom, ele conquistou 34.532 votos para deputado estadual em 2022. Faltou pouco para garantir uma cadeira de titular na assembleia. Mas ele garantiu uma atraente posição de suplente, e tem chances de assumir uma vaga a partir do pleito municipal do ano que vem, quando deputados eleitos concorrem às prefeituras. Diante do quadro, e com a vitrine garantida pelo cargo no médio escalão do Palácio do Planalto, há quem aposte em voos maiores para Maneco em 2026. Por exemplo, a candidatura para a câmara federal. É fato. Diante do obstinado trabalho em prol da região desde que assumiu o posto em Brasília, ele está credenciado para tal. E larga em vantagem, claro.

TIRO CURTO

  • A tradicional Casa do Peixe, duramente atingida pela histórica enchente de setembro, retomou as atividades e já recebe os fiéis clientes. Um alento e tanto para a comunidade de Arroio do Meio e de todo o Vale do Taquari. Seria ainda mais doloroso encerrar com um símbolo da nossa região.
  • Em Estrela, o governo sancionou a lei que denomina o Memorial de Estrela de “Memorial Werner Helmuth Erich Schinke”.
  • Também em Estrela, a nova sede da rodoviária inicia hoje as atividades. E não dá para negar a perda de qualidade no espaço público se comparado à antiga sede no acesso à cidade. Em tempos de sustentabilidade e debates sobre mobilidade urbana, é um passo e tanto para trás.
  • Em Encantado, o 7º suplente do PP, Vagner Zonta, assumiu de forma temporária a cadeira de Valdecir Cardoso (PP), que solicitou 15 dias de licença.
  • Vereadora em Lajeado, Ana da Apama (MDB) protocolou um projeto de lei para instituir o Conselho Municipal de Defesa Civil, com a “finalidade de propor, deliberar, fiscalizar e supervisionar as políticas públicas de Defesa Civil, bem como, deliberar e fiscalizar sobre a aplicação dos recursos do Fundo Municipal de Defesa Civil”.
  • O Vale do Taquari possui uma “Frente Parlamentar Pró Vida”, formada por vereadores contrários à legalização do aborto em âmbito nacional e à atuação do STF no interminável debate. E uma curiosidade. O grupo é formado majoritariamente por parlamentares homens.
  • Aliás, e isso não vale a todos os envolvidos na “Frente Parlamentar Pró Vida”, é claro, a pauta de “defesa à vida desde a concepção” é uma oportunidade e tanto para enfim aparecer na pauta do dia.
  • O Vale do Taquari fechou 780 postos de trabalho em setembro. Um impacto direto da histórica enchente. Os números podem ser piores em outubro. E têm políticos e militantes que acharam “injusta” a capa do Jornal A Hora desse fim de semana, cuja manchete foi clara: Cadê o dinheiro, presidente e governador?

Acompanhe
nossas
redes sociais