Vale registra queda em mortes violentas, mas estelionatos crescem

ÍNDICES DE CRIMINALIDADE

Vale registra queda em mortes violentas, mas estelionatos crescem

Região teve 28 homicídios no ano passado, oito a menos do que no ano anterior. Outros crimes, como furtos, abigeatos e lesão corporal contra mulheres, aumentaram em 2022

Por

Vale registra queda em mortes violentas, mas estelionatos crescem
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O balanço dos dados criminais de 2022 na região apontam para uma queda no número de homicídios, feminicídios e latrocínios na comparação com o ano anterior. Porém, crimes como furtos, estelionatos e abigeatos apresentaram alta nesse período. Casos de ameaça e lesão corporal contra mulheres também cresceram.

Feito com base nos dados oficiais da criminalidade no RS divulgados pela Secretaria de Segurança Pública, o levantamento considera o somatório de todos os municípios do Vale do Taquari. Em relação aos homicídios, a queda foi de 22%. Foram 28 casos no ano passado, ocorridos em 11 cidades, contra 36 mortes em 2021.

A queda no número de homicídios na região não vem de hoje. São pelo menos quatro anos com sucessivas reduções nos indicadores. Em 2019, por exemplo, foram 50 casos, enquanto em 2020, ocorreram 45 crimes deste tipo. Lajeado, que chegou a registrar mais de 20 mortes por ano na década passada, é um dos exemplos na redução de homicídios. Foram sete no ano passado, mesmo número de 2021. O município, que aderiu ao RS Mais Seguro em 2014 devido ao índice de crimes contra a vida, virou destaque estadual entre as cidades de mesmo porte.

Quedas expressivas

Entre os latrocínios, a redução foi ainda maior (75%) em 12 meses. Apenas um caso foi registrado em 2022 na região, no município de Teutônia. No ano anterior, foram quatro. Já os crimes de feminicídio, diferente da tendência de alta no Estado, caíram 85,7% no Vale.

Pelo levantamento, também foram registradas a região quedas nos crimes de delitos relacionados às armas e munições (10,7%), roubos (17,8%), roubo de veículo (11,1%), estupro (25,3%) e tentativa de feminicídio (50%).

Estelionatos em alta

Alta de 245%. Esse foi o crescimento no número de casos de estelionatos no Vale do Taquari nos últimos quatro anos. Em 2019, foram 734 ocorrências do tipo. O crime “explodiu” a partir de 2020, com a pandemia. Naquele ano, mais do que dobrou (1,6 mil casos).

Os números seguiram em alta em 2021, ao chegar a 2,4 mil casos. No ano passado, houve uma elevação mais tímida, com 2,5 mil ocorrências de estelionato (4,4% a mais). Os dados locais acompanham a tendência estadual, também de aumento nos indicadores. Já os crimes de ameaça e lesão corporal contra mulheres também fecharam 2022 em alta, com 4,7% e 14,3%, respectivamente.

Análise regional

Titular da 19ª Delegacia de Polícia Regional do Interior, Shana Luft Hartz atribui a redução de crimes violentos a união de esforços entre as forças de segurança. “Nós demos uma ênfase maior a esses crimes e fizemos uma força tarefa. Batemos forte na questão do tráfico, por exemplo, e adotamos várias frentes e conseguimos essa redução”, salienta.

Por outro lado, Shana entende que a ascensão de crimes que não envolvem a violência diretamente contra a vítima, como os furtos e estelionatos, ocorrem pela migração natural dos criminosos. “No estelionato, por exemplo, o índice crescente também se atribui à pandemia, pois a maioria deles ocorrem de forma virtual. Os criminosos viram um campo aberto para cometer esse tipo de crime”.

Quanto aos crimes de violência doméstica, a delegada reforça que as campanhas e palestras de conscientização encorajam as mulheres a denunciarem os casos e registrarem boletim de ocorrência. “Sempre existiu uma grande subnotificação. Agora, ocorrem mais registros de uma criminalidade que já acontecia”.

 

Análise dos dados

– Onze cidades registraram homicídios no Vale em 2022: Arroio do Meio, Arvorezinha, Bom Retiro do Sul, Capitão, Cruzeiro do Sul, Encantado, Estrela, Ilópolis, Lajeado, Paverama e Taquari;

– O único caso de latrocínio na região ocorreu em Paverama. Já o feminicídio foi registrado em Bom Retiro do Sul;

– Taquari registrou 18 casos de abigeato e lidera a lista dos indicadores deste crime, seguido por Bom Retiro do Sul e Estrela, ambos com 16;

– Travesseiro foi a cidade com menos ocorrências por furtos: apenas 3. Já no crime de estelionato, Canudos do Vale, Colinas e Putinga são as que registraram menos casos;

– Anta Gorda, Boqueirão do Leão, Canudos do Vale, Capitão, Colinas, Coqueiro Baixo, Doutor Ricardo, Forquetinha, Imigrante, Paverama, Poço das Antas, Pouso Novo, Putinga e Sério não registraram ocorrência por roubo;

– Nos crimes de violência contra a mulher, Travesseiro foi o único a não registrar casos de ameaças. E junto com Canudos do Vale, não teve casos de lesão corporal.

Acompanhe
nossas
redes sociais