Venda de carros zero cresce 5% em 12 meses

VALE DO TAQUARI

Venda de carros zero cresce 5% em 12 meses

Nas seis maiores cidades do Vale, o total de veículos novos emplacados alcançou 2,7 mil no ano passado

Por

Venda de carros zero cresce 5% em 12 meses
Concessionárias em Lajeado venderam 1,5 mil veículos novos em 2022. Setor aposta em ofertas para atrair clientes. Crédito: Felipe Neitzke
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A venda de carros zero registrou crescimento em 2022. Com 2.733 unidades emplacadas na região, a alta chega a 5,1% no comparativo com o ano anterior. Entre os municípios com maior incremento de automóveis novos na frota está Estrela. Em doze meses foram emplacados 466 carros. No ano anterior eram 255.

Já em Lajeado, houve pequena redução nos emplacamentos. Em 2022, as concessionárias venderam 1.511 unidades, frente a 1.658 em 2021. Os dados constam em relatório da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Os números da região também mostram desempenho melhor em relação ao estado. A venda de veículos leves e comerciais no RS registrou queda de 4,8% no comparativo dos últimos dois anos. Representantes do segmento no Vale indicam como diferencial o aumento da população e investimentos atraídos a pela capacidade logística.

Como entraves para um melhor resultado do setor estão as dificuldades das montadoras. O ritmo de produção ainda está comprometido pelos impactos da pandemia na indústria. Com escassez de semicondutores e elevação de custos, os preços dispararam ao mesmo tempo em que o consumidor perdeu poder de compra.

Ano desafiador

Para o empresário e vice-presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos no RS (Sincodiv), Rogério Wink, a taxa de juros mais elevada e a inadimplência desafiam o segmento em 2023. “O comércio deverá adotar atitudes de ofertas para incentivar a compra do carro zero.”

Wink observa maior oportunidade no mercado de vendas diretas para renovação de frotas. “Tem demanda reprimida em função das dificuldades na cadeia produtiva”, pontua. Ele reforça a necessidade de empresas reduzirem custos com manutenção e no consumo de combustível.

Quanto ao desempenho do ramo no Vale do Taquari, a expectativa é positiva na ampliação de negócios. “Muitas pessoas são atraídas para a região. Como reflexo já temos o aumento populacional e a demanda logística crescente.”

Acompanhe
nossas
redes sociais