Após crescer 30% em 2022, FBNet projeta nova alta

Opinião

Thiago Maurique

Thiago Maurique

Jornalista

Coluna publicada no caderno Negócios em Pauta.

Após crescer 30% em 2022, FBNet projeta nova alta

Por

Atualizado quinta-feira,
05 de Janeiro de 2023 às 07:59

Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Empresa com matriz em Venâncio Aires e forte atuação no Vale do Taquari, a FBNet encerrou 2022 com crescimento de 30% em sua base de clientes e projeta nova elevação, de 15% para 2023. A empresa ampliou de 70 para 110 o número de funcionários no ano passado, e prevê investimentos na melhoria da rede na região de Teutônia e Westfália para esse ano, quando deve finalizar a construção da nova sede administrativa.

CEO da FBNet, Júnior Bohn acredita em forte crescimento para o setor de telecomunicações nos próximos anos. Segundo ele, o mercado deve passar por uma maior aglutinação de empresas por meio de fusões e aquisições, movimento que já ocorre com consequências para a região. “A conexão com a internet se tornou fundamental, tanto para famílias quanto para empresas, em um processo acelerado pela necessidade de automação.”

Para os próximos dez anos, Bohn prevê avanço ainda maior de tecnologia, conectividade e robotização. Diante desse cenário, o setor de Telecomunicações se torna ainda mais relevante na sociedade. “A conexão estável e funcional com a internet será fundamental para qualquer negócio e tão importante quanto a água e energia elétrica nas residências.”


Ortobom concentra ações em três unidades

Após chegar a cinco unidades no Vale do Taquari, a franqueada Ortobom de Estrela e Lajeado (Benjamin Constant) concentrará os esforços em três unidades para ampliar a relação com os clientes e colaboradores, de forma a melhorar o atendimento.

Proprietária das franquias, Jéssica Oliveira afirma que a empresa apostas nas diversas formas de levar os produtos aos consumidores em 2023.“Estamos focando em ter menos unidades fixas e mais unidades ‘móveis’”.,

Em 2022 a Ortobom conseguiu ampliar o número de colaboradores, apesar da dificuldade para encontrar mão de obra qualificada na região. “Felizmente, conseguimos encontrar colaboradores a altura do que precisávamos.”

Segundo Jéssica, mesmo com alguns entraves a empresa conseguiu fechar o ano passado com crescimento. Para 2023, a expectativa é de ampliar a participação no mercado. “Acreditamos que o ano será um sucesso. O Vale do Taquari é uma região muito próspera, o que nos da confiança para continuar investindo.”


Cibersegurança precisa entrar na pauta regional

Nas conversas que tive com os empresários da região nesse início de 2023, além das incertezas quanto ao rumo da economia, a apreensão em relação à segurança digital foi tema constante. As empresas do Vale do Taquari parecem ter percebido a urgência de investir na proteção de suas redes e sistemas, não apenas para estarem adequadas às regras da Lei Geral de Proteção de Dados, mas sim para evitar perdas financeiras.

Casos envolvendo empresas do Vale do Taquari e de regiões próximas em 2022 aumentaram o alerta. Na região, os ataques pararam linhas de produção em indústrias, travaram sistemas em caixas de supermercados e tiraram e-commerces do ar. No Vale do Rio Pardo ocorreu uma situação ainda mais grave: hackers invadiram o sistema bancário de uma empresa e transferiram o faturamento de três dias de trabalho para contas alocadas no exterior.

Diante da elevação no número de ataques e da crescente sofisticação dos criminosos, urgem ações organizadas e coletivas que ajudem os empresários. Parte do setor privado segue desorientado, negligenciando ações preventivas capazes de mitigar eventuais danos. Creio que as entidades regionais precisam se unir em torno dessa pauta, que se torna mais relevante a cada dia.


RÁPIDAS

• Expansão da Unifique – Na coluna de ontem escrevi sobre o forte ritmo de expansão da Unifique, provedor de internet catarinense que adquiriu diversas empresas do setor no Rio Grande do Sul nos últimos anos – as três últimas no Vale do Taquari. Além da Rasche & Stefenon (Alfanetwork), da SRNET Serviços de Telecomunicações, ambas de Encantado, e da MB Telecomunicações, de Lajeado, compradas esse ano, a empresa também adquiriu outro provedor do Vale do Taquari em 2021, a TKNet, de Taquari, agregando 15 mil clientes da região à sua base de atuação.

• Energia solar avança – Dados divulgados pela Associação Brasileira do setor, Absolar, mostram que a energia solar superou a eólica e se tornou a segunda principal fonte da matriz energética do país. Com potência instalada operacional de 23,9 gigawatts (GW) a modalidade fica atrás apenas das hidrelétricas, cuja soma chega 109,7 GW. Nos últimos 10 anos a energia solar gerou mais de 705 mil empregos e resultou em investimentos de R$ 120 bilhões no Brasil.

• Arrecadação recorde – Os contribuintes brasileiros pagaram R$ 2,89 trilhões em impostos em 2022, alta de 11,5% na comparação com o ano anterior, segundo mostra o Impostômetro, painel instalado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) na região central da capital paulista. Em 2021, o Impostômetro registrou R$ 2,6 trilhões. A elevação no ano passado ocorreu devido a maior arrecadação de tributos federais. Mesmo com a desoneração nos setores dos combustíveis, energia elétrica e telecomunicações, a arrecadação foi turbinada pela alta da inflação.

Acompanhe
nossas
redes sociais