“Sempre gostei de movimento, e a arte  fez bater meu coração mais forte”

ABRE ASPAS

“Sempre gostei de movimento, e a arte fez bater meu coração mais forte”

Professora e proprietária da Fly Escola de Patinação, Marceli Gallardo Pattussi, 31, não larga os patins desde a infância. Da curiosidade aos 5 anos, até virar profissão, construiu e consolidou uma carreira no esporte. Nos dias 3 e 12 de dezembro, a escola volta aos palcos e apresenta o espetáculo “O Verdadeiro Significado do Natal”, em Roca Sales e Lajeado.

Por

Atualizado sexta-feira,
02 de Dezembro de 2022 às 13:58

“Sempre gostei de movimento, e a arte  fez bater meu coração mais forte”
Crédito: Arquivo Pessoal
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O que te levou à patinação?

Eu adorava assistir filmes de patinação quando criança, e quando ia para Porto Alegre na minha avó, via algumas atendentes de supermercado patinando, eu achava o máximo. Ganhei um patins quando tinha uns 5 ou 6 anos, e em 1998 comecei a patinar em uma pequena escola de patinação em Lajeado. Em 2002 comecei a levar mais a sério e intensifiquei os treinamentos, visando a competição além do lazer.

O que te fez se apaixonar por este esporte?

Sempre gostei de movimento, e a arte fez bater meu coração mais forte. Quando conheci a patinação e percebi que tinha essas duas coisas em uma mesma atividade, era impossível eu não me apaixonar. Embora desde sempre eu seja apaixonada pela patinação, a paixão intensificou ainda mais quando comecei a ensinar. Ver os olhinhos dos meus alunos brilhando ao aprender a patinar é um sentimento incrível.

Quando viu que dava para viver desta modalidade?

Com 16 anos comecei a auxiliar e monitorar algumas turmas na escola onde patinava. Em 2008 terminei o ensino médio e escolhi cursar educação física. Na graduação continuei trabalhando com patinação mas também aproveitei para trabalhar em outras áreas da educação física.

Mesmo com diversas experiências a patinação sempre foi minha escolha número 1 e eu tinha certeza que era isso que queria fazer o resto da minha vida. Em 2018 estudei o mercado, planejei e coloquei um sonho no papel: abrir minha própria escola. Em 2019 nasceu a Fly Escola de Patinação, e hoje conta com cerca de 120 alunos nas cidades de Bom Retiro do Sul, Cruzeiro do Sul, Lajeado, Muçum, Roca Sales e Travesseiro.

Quais as conquistas que mais te marcaram?

Certamente as competições que participei foram momentos muito marcantes na minha vida. Ao longo de todos esses anos no mundo da patinação destaco principalmente os meus títulos de campeã do Torneio Nacional em 2009 na modalidade de Free Dance (meu maior feito no individual) e também a participação de dois mundiais na modalidade de grupos de show (em 2007 na Austrália e 2010 em Portugal), ambas as competições ficamos em 7º lugar. Em 2008, fui campeã Sul-Americana na modalidade de grupos de show.

E os espetáculos, quais os mais marcantes?

Participo de shows de patinação desde 1998 e certamente vários deles me marcaram, mas meu coração diz que os shows desse ano serão os mais marcantes para mim. Eu função da pandemia não realizamos shows nos últimos dois anos então a saudade de se apresentar é gigantesca. Não tenho dúvidas que a emoção irá tomar conta e será um espetáculo inesquecível.

Ainda tem algum sonho a ser realizado?

Quando resolvi abrir minha escola eu tinha um propósito: poder levar o meu amor pela patinação para o máximo de pessoas possíveis. Hoje posso dizer que sou absolutamente feliz com a minha escolha, porque eu amo o que faço. Meu maior sonho é continuar fazendo isso por muitos e muitos anos e “espalhar” a patinação por aí.

Acompanhe
nossas
redes sociais