Dália Alimentos traz o Museu do Suíno ao parque de Encantado

Iniciativa inédita

Dália Alimentos traz o Museu do Suíno ao parque de Encantado

As mais de 30 mil peças são de Cachoeira do Sul e ficarão expostas no Parque João Batista Marchese. A produção faz parte da comemoração dos 75 anos da cooperativa

Por

Dália Alimentos traz o Museu do Suíno ao parque de Encantado
A ideia da administração municipal é que o Museu seja no Parque, junto do Moinho de Palmas / Crédito: Divulgação
Encantado
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Os suínos fazem parte da história de Encantado. A cidade foi a maior produtora de banha do Brasil até a década de 1940, quando passou a ser conhecida como “Capital do Ouro Branco”. A partir de 1950, a carne do animal ganhou mais espaço. Agora, a Cooperativa Dália, em parceria com o governo municipal, projeta o Museu da Suinocultura, no Parque João Batista Marchese.

A produção faz parte da comemoração dos 75 anos da cooperativa, mas não deve abrir as portas tão cedo. As mais de 30 mil peças são do Museu do Suíno, de Cachoeira do Sul, e o transporte deve ser finalizado no início do ano que vem.

Assim, o museu em Encantado deve abrir suas portas em dois anos. “Terá tudo o que se pode imaginar. São itens de mais de 130 países, desde artesanato até peças de frigoríficos”, conta o historiador contratado pelo governo municipal, Marcos César Cadore.

O acervo é doação de Sandra Pfüller, responsável pelo museu em Cachoeira do Sul e esposa de Hiran Kunert, médico veterinário idealizador do espaço. “A transferência das peças está sendo trabalhosa, delicada, mas bem tranquila. É um trabalho minucioso e complexo. Temos que reidentificar todas as peças, cuidar no manejo recuperar outras é assim”, explica o advogado da Dália, Reinaldo José Cornelli. As despesas do museu são da responsabilidade da empresa.

Esse será o único Museu da Suinocultura do continente. No mundo, existem apenas mais dois espaços semelhantes, em Portugal e na Alemanha. No entanto, em Encantado, a ideia é que o espaço fará parte de um complexo maior.

As peças são do Museu do Suíno, de Cachoeira do Sul, e tem itens de mais de 130 países / Crédito: Divulgação

 

Ocupações para o Parque

O prefeito Jonas Calvi encaminhou nesta semana o projeto de lei sobre parcerias público-privadas. Se aprovada a proposta pela câmara de vereadores, as possibilidades para o Parque João Batista Marchese aumentam. Entre elas, a organização de uma vila em homenagem à imigração italiana, que vai incluir o Museu da Suinocultura e o Moinho de Palmas.

“Esse pode ser um ponto com informações turísticas, já que também fica próximo ao Cristo Protetor”, explica o prefeito. Conforme o chefe do Executivo, a ideia é que, em cada mês de 2023, ocorra um evento diferente no parque.

Acompanhe
nossas
redes sociais