Feira fortalece economia regional  e desperta melhorias no parque

EXPOVALE + CONSTRUMÓBIL

Feira fortalece economia regional e desperta melhorias no parque

Resultado do maior evento regional supera números de edição anterior. Apesar do desempenho positivo, necessidade de investimentos na estrutura do Parque do Imigrante é o principal apontamento de expositores e da organização

Por

Feira fortalece economia regional  e desperta melhorias no parque
Expovale + Construmóbil encerrou no domingo com mais de 102 mil visitantes e R$ 98 milhões em negócios. Crédito: Felipe Neitzke
Lajeado
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

A edição conjunta da Expovale + Construmóbil encerrou no domingo, 20, e atendeu expectativas com público de 102 mil visitantes. Em dez dias de programação, o volume de negócios supera os R$ 98 milhões, além de R$ 150 milhões em prospecção. Já o espaço da agricultura familiar alcançou R$ 515 mil em vendas.

Os atrativos turísticos como o passeio do barco Cisne Branco também tiveram público expressivo com mais de 2,9 mil bilhetes vendidos. A feira ainda proporcionou cerca de 50 apresentações culturais e reuniu 60 empresas na rodada de negócios. Na Arena SebraeX e Pro_Move foram 1,5 mil passeios virtuais.

A avaliação da feira traz, além dos aspectos positivos, alguns apontamentos e reforça o debate sobre a necessidade de investimentos no Parque do Imigrante. Ainda na noite de domingo, em coletiva de encerramento da feira, o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo, se comprometeu em viabilizar obras para adequar acesso do parque e melhorias nos banheiros.

Caumo acredita que esses serviços sejam implementados a partir de janeiro do próximo ano. “Não é algo que vamos fazer de uma vez só, mas é preciso seguir um cronograma de investimentos.” Entre as intenções do governo, está replicar o formato do acesso principal na entrada secundária do parque.

A aplicação de recursos para tornar o Parque do Imigrante para a recorrência de programações é um dos apontamentos do presidente da Expovale, Miguel Arenhart. “Quando veio a pandemia os investimentos no parque foram para o fim da lista. E até por conta do cenário não exigimos nada do município nesse período.”

O grupo à frente da Expovale+Construmóbil defende a elaboração de um novo projeto. O objetivo das melhorias na estrutura vai ao encontro de tornar o local integrado com o Centro Cultural da Univates e acolher diferentes eventos no decorrer do ano.

“Debate não pode esfriar”

Apesar do sucesso da edição conjunta, a necessidade de melhorias na estrutura é consenso entre visitantes, expositores e organização. “O debate para a infraestrutura do Parque do Imigrante não pode esfriar. Não pode ser que nem enchente”, observa o presidente da Expovale, Miguel Arenhart.

Essa também é a percepção do presidente da Construmóbil, Joni Zagonel. Ele entende que é preciso pensar no espaço não apenas para as feiras. “Muitos outros eventos de negócios, sociais e esportivos podem ser viabilizados no local. Para isso é preciso fazer investimentos.”

Já em relação ao futuro das feiras, a presidente da Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), Graciela Black, destaca ser uma decisão que depende de vários fatores. “A decisão de manter o formato conjunto depende de pesquisa, avaliação e conversa entre os envolvidos.”

Sicredi duplica volume de negócios

Os dados parciais indicam que a Sicredi Integração RS/MG gerou R$ 35 milhões em negócios durante a Expovale + Construmóbil. O número é o dobro da edição passada, quando chegou a R$ 17 milhões. Além disso, mais de 600 pessoas protocolaram intenções durante a feira, a grande maioria, associados.

De acordo com o gerente regional de Desenvolvimento de Negócios, Fabrício Diedrich, o maior volume foi no setor de energia solar, com 36% das prospecções. Em seguida, aparecem as piscinas, com 28%, construção civil, 25% e agro, com 6%. Cerca de 60 colaboradores se revezaram nos estandes para garantir o melhor atendimento ao público, fora a equipe de retaguarda.

Vitrine da agricultura familiar

As vendas no espaço das agroindústrias somam R$ 515 mil. Nesta edição participaram 47 empreendimentos, a maioria do Vale do Taquari. “A avaliação é positiva não somente pelos negócios, mas pela divulgação que a feira proporciona aos produtos locais”, observa o técnico da Emater/RS-Ascar, Alano Tonin.

Entre as sugestões para a próxima edição da feira está a alteração de horários. “Os expositores sugerem que ao menos nos fins de semana o parque permaneça aberto até as 23h. Isso permite vender para aquele público que foi em algum show e quando vai para casa tem a opção de comprar produtos da agricultura familiar.”

Resultados da feira

  • R$ 98 milhões em negócios
  • R$ 150 milhões em negócios prospectados
  • R$ 515 mil de vendas na agricultura familiar
  • 102 mil visitantes
  • 18 mil ingressos no Parque de Diversões
  • 2,9 mil bilhetes para os passeios do Cisne Branco
  • 1,5 mil passeios virtuais na Arena SebraeX e Pro_Move

Acompanhe
nossas
redes sociais