“Formamos um grupo e trabalhamos voluntariamente”, recorda fundador da Fundef

TOP 100

“Formamos um grupo e trabalhamos voluntariamente”, recorda fundador da Fundef

Médico Wilson Dewes foi reconhecido como "Personalidade - Espírito Comunitário" em premiação do Grupo A Hora

Por

Atualizado quinta-feira,
17 de Outubro de 2022 às 16:42

“Formamos um grupo e trabalhamos voluntariamente”, recorda fundador da Fundef
Médico Wilson Dewes (Foto: Rodrigo Gallas)
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

O médico Wilson Dewes, 84 anos, foi reconhecido como “Personalidade – Espírito Comunitário” em premiação do Grupo A Hora, a Top 100. Em entrevista ao programa Frente e Verso, da Rádio A Hora 102.9, desta sexta-feira, 28, detalha momentos de sua história e da criação da Fundação para Reabilitação de Deformidades Craniofaciais (Fundef) de Lajeado. “Formamos um grupo e trabalhamos voluntariamente”, recorda.

LEIA TAMBÉM: Prêmio TOP 100: noite de reconhecimentos

O atendimento começou em 1992 no consultório particular de Dewes. Ao observar a demanda crescente, o médico buscou a diretoria do Hospital Bruno Born (HBB) para criar o setor especializado na reabilitação de pacientes dentro da instituição, com o objetivo de realizar os procedimentos cirúrgicos e ambulatoriais.

Motivado pela iniciativa, a diretoria do HBB instituiu a Fundação. Em 1993 foi aprovado e registrado o Estatuto da Fundação pela Procuradoria Geral da Justiça. “O grande mérito é do hospital que cedeu uma área e oportunizou que fizéssemos isso. Aí começamos a atender pessoas de outras localidades.”

Segundo Dewes, a quando chegou em Lajeado, em 1968, era apenas o 8º médico da equipe do hospital. Hoje, são mais de 300. “Quando me dou conta, fico muito emocionado”, diz sobre toda sua trajetória. Conforme o médico, foram catalogados mais de 8 mil pacientes até hoje. Estima ter participado da operação de 4 mil crianças.

Ele avalia a área como “complicada”, pois não dá dinheiro. “O lado estético da cirurgia plástica é bem remunerado por isso os profissionais não tem interesse em atuar.”

A premiação das marcas e das personalidades mais lembradas ocorreu na noite da última sexta-feira, 21, no Clube Tiro e Caça (CTC). Para chegar na distinção, foram ouvidos 400 formadores de opinião, selecionados a partir de 1,2 mil indicadores.

Mais de 600 pessoas acompanharam a 2ª edição do prêmio. A iniciativa do Grupo A Hora tem o propósito de evidenciar a força da economia regional e o papel de interlocução dos líderes com diferentes espectros sociais.

Assista a entrevista na íntegra

Acompanhe
nossas
redes sociais