Personagem histórica do Vale vira tema de romance

Julia Malvina Hailliot Tavares

Personagem histórica do Vale vira tema de romance

A obra deve ficar pronta até o segundo semestre de 2023. Serão produzidos mil exemplares

Por

Personagem histórica do Vale vira tema de romance
Julia Malvina Hailliot Tavares morou em Cruzeiro do Sul e foi professora estadual na cidade. Crédito: Divulgação
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Julia Malvina Hailliot Tavares foi uma professora libertária que lecionou em Cruzeiro do Sul. A trajetória dessa personagem que fez história no Vale, e falta de registros sobre ela, será a matéria-prima de um romance produzido pela jornalista e escritora Laura Peixoto, e editado pela Libélula Editora, de Meire Brod. Na semana passada, o projeto foi contemplado com o edital Pró-cultura RS, com apoio do Instituto Estadual do Livro (IEL).

Agora, a jornalista está envolvida com as pesquisas sobre Malvina, com a utilização de entrevistas, jornais, trabalhos acadêmicos e algumas páginas do diário da personagem. A educadora foi transferida para lecionar em São Gabriel de Lajeado, hoje Cruzeiro do Sul, no início do século XX, por ordem de Júlio de Castilhos. A história chegou até Laura por meio do bisneto de Malvina, Aristides Tavares.

Conforme a jornalista, Malvina foi professora estadual e deu aulas para turmas mistas, o que não acontecia na região. Ela introduz uma pedagogia libertária com o objetivo de construir uma nova forma de pensar, mais científica e racional e menos apegada à religiosidade. Em suas pesquisas, Laura percebeu que vários dos alunos se identificavam com o movimento.

A falta de registros sobre a vida da professora motivou as buscas da escritora. “Malvina vive 40 anos no distrito de Lajeado, é convidada para batizar inúmeros afilhados, seu filho é prefeito de Arroio do Meio, e foi enterrada em Cruzeiro do Sul. Mas não descubro ninguém que tivesse ouvido falar nessa professora por uma fala de alguma avó? Esse apagamento me interessa”, explica Laura.

Para Meire, saber sobre a história da região ajuda a entender como melhorar o meio em que está inserida. “Por algum motivo, a trajetória de Malvina foi invisibilizada. Ocorreu um apagamento de sua memória, apesar de mais de uma centena de estudantes terem frequentado as aulas, que aconteciam na sua própria casa. Qual o motivo disso?”, indaga.

Até a publicação

Conforme Meire, o edital teve um total de 353 projetos inscritos, dos quais 32 foram contemplados. Entre o Vale do Taquari e do Rio Pardo, foram três projetos, sendo um de Lajeado e dois de Santa Cruz. A obra deve ser publicada até o segundo semestre do ano que vem.

Assim como a pesquisa, o processo de escrita exige trabalho. Laura publicou o livro “Engole esse choro” que data dos anos 70. Agora, por se tratar do século XX, o trabalho é diferente. “É desafiador. Gostaria muito que interessasse alunos e professores, principalmente, de Cruzeiro do Sul. Saber quem chegou antes, saber da nossa identidade, e entender que o passado diz muito do nosso presente”, diz.

Depois de escrita, a obra passa por uma análise entre a autora e a editora e, em seguida, a revisão. Após, o projeto gráfico é definido e se dá início à diagramação. E, por último, a impressão, que será de mil exemplares.

Laura e Meire venceram o edital Pró-cultura RS na semana passada. Crédito: Júlia Amaral

Acompanhe
nossas
redes sociais