Escassez global de fibra óptica compromete expansão digital

Especial

Escassez global de fibra óptica compromete expansão digital

Provedores regionais enfrentam aumento de preço dos equipamentos e redução na disponibilidade de cabos para o sinal de internet banda larga. Tecnologia está presente em 48% dos 103,8 mil pontos de acesso na região. Percentual é inferior ao registrado no país

Por

Atualizado terça-feira,
02 de Agosto de 2022 às 08:09

Escassez global de fibra óptica compromete expansão digital
Escassez de fibra óptica coloca em xeque expansão rede de internet banda larga. Sistema representa 48% dos pontos de acesso no Vale. Crédito: Felipe Neitzke
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Os cabos ópticos incluem a lista de itens impactados com a redução do ritmo industrial na pandemia e agravado com a guerra na Ucrânia. Essa escassez global de suprimentos na área de telecomunicações também compromete a expansão da banda larga na região.

Embora tenha ocorrido avanços, a fibra óptica representa 48% dos 103,8 mil pontos de internet no Vale do Taquari. O percentual é inferior se comparado ao cenário nacional onde 62% das conexões de internet fixa são por cabo óptico.

Essa disparidade não é maior por conta da atuação de provedores regionais. Conforme dados do Sebrae, existem pelo menos 63 empresas do segmento com sede no Vale do Taquari. Por outro lado, o número de empresas que distribuem o sinal na região, conforme o portal Teleco, é superior a 100.

Por consequência do aumento da demanda e menor disponibilidade dos equipamentos, os itens para levar conexão de alta velocidade sofrem frequentes reajustes. No caso da fibra óptica, o aumento no primeiro semestre de 2022 chega a 25%. Se considerar os últimos 18 meses esse percentual é ainda maior e chega a 70%.

Enquanto os provedores de internet buscam alternativas para equilibrar custos e com a imprevisibilidade sobre o cenário internacional, o ritmo da expansão é menor. Em contrapartida, alguns projetos e programas dos municípios visam garantir a ampliação da estrutura de cabo óptico nas comunidades do interior que já sofrem com a ausência do sinal de telefone.

“Pandemia acelerou a transformação digital em até dez anos”

Presente em sete estados e com sede em Taquari, a OIW Telecom atua na distribuição de fibra óptica e componentes para provedores regionais. Além da venda, também trabalha com a locação de equipamentos de telecomunicação e oferece soluções financeiras.

Por ano, a empresa vende em torno de 600 mil quilômetros de fibra óptica. De 2020 até agora auxiliou a conectar mais de 1,3 milhão de empresas e residências. De acordo com o diretor de vendas e marketing, Márcio Cachapuz, o mundo vive um momento diferente desde a pandemia. “Se acreditava que os mercados fossem parar e foi o mundo virtual deu essa sustentação para seguir em frente. Esse segmento acelerou de cinco a dez anos neste período”, avalia Cachapuz.

Com essa crescente demanda para dar conta da transformação no ensino, na saúde e no modo de compra, as operadoras tiveram de fazer investimentos para reforçar a rede e atender novos públicos. Além do menor potencial de produção do cabo óptico na China, principal fornecedor, houve atrasos e alta de custos na logística.

Provedores regionais enfrentam dificuldade na compra de componentes e alta de preços em suprimentos para ampliar cobertura de internet. Crédito: Felipe Neitzke

“A inflação, menor disponibilidade e implantação do 5G pelo mundo elevam o prazo de entrega e a disputa pelo produto”, considera Cachapuz. Ainda em relação à nova geração da telefonia móvel, o diretor da OIW reforça a necessidade de mais pontos de transmissão.

Cachapuz acredita que a evolução da banda larga somente foi possível por conta das operadoras locais. “A internet traz uma contribuição social expressiva, pois possibilita que as pessoas se conectem mesmo longe e obtenham acesso a muitas ferramentas e serviços digitais.”

Na compreensão de Cachapuz, enquanto não encerrar a guerra na Ucrânia e a redução significativa da covid, será difícil retomar os níveis tradicionais de produção dos componentes eletrônicos e cabos ópticos. Ele atribui ainda, o cenário de instabilidade no Brasil diante da desvalorização do real frente ao dólar e a inflação em níveis elevados.

Expansão pelo interior

Levar internet banda larga para mais de 400 famílias do interior de Westfália esse é o propósito do programa Agro Digital. Desenvolvido pela administração municipal, o projeto visa atender 100% da área rural. Para que isso seja possível, serão instalados 97 quilômetros de fibra óptica.

Embora o cabeamento principal seja custeado pelo município, a adesão depende de cada morador, bem como o pacote contratado de forma direta com o provedor do serviço. A previsão é concluir a instalação do cabeamento até novembro.

Atualização de tecnologia

O aumento de atividades virtuais e transmissões de aulas durante a pandemia motivaram o estudante de Ciências Contábeis, Eduardo Weber Schwarzer, 25, a investir na qualidade da internet. O sistema via rádio foi substituído pela fibra óptica em dezembro de 2020 e facilitou a transferência de dados, envio de trabalhos e acesso às videoaulas. Segundo ele, as recorrentes quedas de sinal incomodavam.

Eduardo Schwarzer, de Arroio do Meio, substitui o sistema de internet por fibra óptica para ampliar a qualidade do serviço na propriedade . Crédito: Gabriel Santos

Além de dificultar o acesso às aulas, a tecnologia anterior comprometia a comunicação da família na propriedade em Forqueta Baixa, interior de Arroio do Meio. “O acesso à fibra facilitou o trabalho e os estudos. A velocidade e os valores, próximos ou similares a outros sistemas também agradam”.

Com uma internet mais rápida e de qualidade, Schwarzer pretende usar a tecnologia aliada ao GPS para novos mecanismos de pulverização na propriedade. A família mantém o cultivo de milho, soja e trigo em 45 hectares.

Atraso no 5G

A falta de equipamentos para a nova tecnologia de internet móvel fez a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) postergar o prazo de julho para setembro. Essa escassez pode comprometer o restante do cronograma, avalia o CEO da FB Net, Junior Bohn.

“A nova tecnologia não resolve o principal problema da região que é a cobertura da telefonia móvel, mas de certa forma vai ajudar a desafogar o fluxo na rede 4G que tem um alcance maior”, pontua.

Para Lajeado a expectativa é que o sinal seja liberado a partir de 2028. Enquanto isso, a internet fixa por fibra óptica conquista espaço e substitui inclusive a função do telefone convencional. “O mercado brasileiro entrou em franca expansão neste segmento, mas agora, com a elevação dos custos, as empresas reduzem esse ritmo para não impactar no valor dos planos.”

Qualificação dos provedores

Junto do aumento de demanda por internet veio a necessidade de profissionalização dos provedores regionais. Além da gestão dos contratos com os clientes, a automação proporcionou a integração de ferramentas.

De acordo com o proprietário da Quaza Tecnologia, Pedro Wessel, até 2020 não havia essa preocupação. “As empresas de internet perceberam a necessidade de oferecer algo a mais para segurar os clientes diante do aumento de concorrência.”

Outra possibilidade a partir da tecnologia por fibra óptica foi a inclusão de pacotes de internet com televisão e conteúdo de streaming, além do telefone fixo. “O custo para manter a estrutura aumentou e para evitar reajustes aos clientes foi preciso inovar.”

PONTOS DE ACESSO À BANDA LARGA

 

 

 


Acompanhe nossas redes sociais: WhatsApp Instagram / Facebook