“Não consigo imaginar um mundo sem música”

ABRE ASPAS

“Não consigo imaginar um mundo sem música”

O representante comercial Márcio Fernando Farias, o “Minguinho”, trabalha com música faz mais de dez anos. Cantor de samba e pagode, tem a arte como principal fonte de renda da família.

Por

“Não consigo imaginar um mundo sem música”
CRON - Campanha Institucional - Lateral vertical - Final vertical

Como surgiu tua relação com a música?
A relação com a música vem desde criança. Cresci vendo meu tio tocar violão, dali em diante a música não saiu mais da minha vida. Na escola tive muitos professores que incentivaram a praticar essa arte.

Qual o estilo musical que você toca e canta? E o que te levou a escolher ele?
Meu estilo musical é o samba e pagode, mas gosto de adaptar outras músicas com arranjos de samba e de pagode. Cresci ouvindo Raça Negra, aprendi a gostar então resolvi me aperfeiçoar e hoje me apresento em vários lugares do estado.

Quantos instrumentos você toca?
Hoje, além de cantar, toco violão, pandeiro, repique de mão e rebolo.

Como você aprendeu a tocar?
O violão aprendi sozinho, ouvindo músicas e tentando tirar arranjos. Os outros instrumentos vi meus amigos e tio tocar. Eles foram essenciais para meu aprendizado.

Viver da arte é um desafio, acredita que dê pra viver de música?
Com certeza dá. O importante é você se adaptar a realidade da região onde você vive. Para sobreviver financeiramente, é necessário ter parcerias com bares e pubs, além disso tem que focar em eventos particulares. Hoje, toco em mais de 15 cidades do Rio Grande do Sul. No gênero de samba e pagode, sou o artista mais requisitado em festas particulares e também o que mais se apresenta em bares na Serra. Tenho um dos cachês mais alto do Vale do Taquari.

Hoje vivo um grande momento, mas a realidade era muito diferente anos atrás. Ganhava R$ 75 por dia, em uma das empresas que trabalhei. A minha vida mudou depois que assisti uma palestra motivacional e me perguntaram quanto , botei a cara a tapa e vi que poderia ganhar muito mais com a música do que com o meu emprego. Graças a Deus, deu certo.

A música interfere no modo de ver a vida?
Não consigo imaginar um mundo sem música. Ela me faz ver sempre o lado bom das coisas. É assim que eu quero viver para o resto da minha vida. Sorrindo e fazendo os outros feliz.

O que é mais fácil, cantar ou tocar?
Pra mim atualmente é mais fácil cantar do que tocar, pois assim consigo conciliar com outra paixão minha que é a dança. Hoje, as minhas apresentação são de duas a três horas cantando e dançando, isso exige muito do preparo físico, então se eu tocar também os instrumentos não conseguirei fazer uma boa apresentação, por isso, contrato alguns músicos para me ajudar nas apresentações.


Acompanhe nossas redes sociais: Instagram / Facebook.